• 26/07/2018 (19:16:33)

  • Repórter: Gazeta do Povo

  • Fotógrafo: Divulgação

Energia solar, sem sol

Novo tipo de célula solar usa bactérias para gerar energia até em dias nublados

Invenção canadense abre novas possibilidades de desenvolvimento de cidades em regiões tipicamente encobertas

Pesquisadores da Universidade da Columbia Britânica, no Canadá, anunciaram recentemente a criação de um novo tipo de célula solar — construído com bactérias — capaz de converter luz em energia elétrica mesmo em condições de tempo nublado. O resultado da pesquisa foi publicado no periódico especializado Small.

O desenvolvimento da célula, que registrou uma corrente mais forte que qualquer outra já registrada em dispositivos semelhantes, abre novas possibilidades para regiões tipicamente encobertas, como a Columbia Britânica e o norte da Europa, onde a primeira rodovia solar do mundo foi inaugurada.

As células solares “biogênicas” contêm organismos vivos e foram desenvolvidas a partir de esforços anteriores que se concentraram na extração do corante natural que as bactérias usam para a fotossíntese. A partir do processo tradicionalmente caro e complexo de extração do corante, os pesquisadores, liderados pelo professor Vikramaditya Yadav, mudaram o foco para a bactéria E. coli, que foi geneticamente modificada para produzir grandes quantidades de licopeno, um corante que é eficiente na absorção de luz para gerar energia.

A equipe estima que o processo poderia reduzir o custo da produção de corante em 90%, representando um salto significativo para a viabilidade da tecnologia. Após o anúncio, a equipe continua avançando, procurando um processo que não mate as bactérias, possibilitando, assim, a produção de corante indefinidamente.

Como o iglu pode proteger do frio extremo mesmo sendo feito de gelo?
Apesar de ser feito de gelo, o iglu tem uma técnica construtiva específica que explora ao máximo leis da física, fazendo com que o ar quente do corpo se concentre na “área de estar”