• 15/11/2018 (02:01:41)

  • Da Redação

  • Repórter: Da Redação

  • Fotógrafo: Divulgação

Ensino presencial mediado por tecnologia

Governo lança projeto de ensino presencial mediado por tecnologia

Centro Nacional de Mídias da Educação (CNME) já foi implementado em 150 escolas públicas do País

O ministro da Educação, Rossieli Soares, lançou, nesta terça-feira (13), em Campo Grande (MS), o Centro Nacional de Mídias da Educação (CNME), uma proposta inovadora de ensino presencial mediado por tecnologia. A ferramenta foi desenvolvida em conjunto com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e conta com o apoio da TV Escola e da Fundação Roberto Marinho.

Com o CNME, educadores e alunos podem participar, em tempo real, de aulas ministradas a partir de um estúdio, instalado atualmente em Manaus (AM). Além disso, é possível que professores e estudantes de diferentes estados do Brasil interajam durantes as aulas.

Até o momento, 150 escolas públicas de 17 estados e do Distrito Federal já são contempladas pelo projeto, sendo que 53% estão localizadas no interior e 47%, nas capitais. A primeira fase de implementação foi iniciada em agosto e será concluída em dezembro, com cerca de 10 mil estudantes atendidos.

“A tecnologia chegou e temos que nos apropriar dela, cada vez mais, para dar oportunidade aos nossos jovens, utilizando o conhecimento dos nossos professores. Esse projeto traz tecnologia como forma de apoio, utilizando os professores que temos Brasil afora”, afirmou Rossieli Soares.

O ministro destacou ainda que não se trata de um projeto de educação à distância, mas presencial, com auxílio da tecnologia. “Ele pode até trabalhar com aluno fora da escola, como algo a mais, mas nunca substituindo o projeto da escola. Com o CNME, há o professor em sala de aula e a programação da escola, que faz a avaliação dos alunos”, explicou.

Para o ano que vem, a expectativa é de que o uso dessa tecnologia no ensino presencial atenda a mais 350 escolas públicas, totalizando 500 instituições, com aproximadamente 45 mil alunos beneficiados. Já a terceira etapa de implementação deve acontecer em 2020.