• 22/11/2018 (15:17:44)

  • Da Redação

  • Repórter: Terezinha Mariza Vilk/Assessoria

Hortaliças no presídio

Horta cultivada em presídio tem assistência da Emater/RS-Ascar

Uma horta de encher os olhos de quem passa próximo ao Presidio Estadual de Getúlio Vargas.

Uma horta de encher os olhos de quem passa próximo ao Presidio Estadual de Getúlio Vargas. A surpresa fica por conta de que ela é cultivada por detentos. A produção é destinada ao autoconsumo do presídio e o excedente é doado para outras entidades, entre elas o Lar do Idoso. A horta é um dos diversos trabalhos feitos por um grupo de presos que conquistou o direito de realizar atividades nas áreas interna e externa do presidio. Dos 190 apenados, 50 realizam trabalhos como artesanato e na cozinha, além da horta. Todos que estão trabalhando na área externa têm autorização judicial.

O trabalho na horta é resultado de uma parceria que iniciou neste ano entre o Presídio e a Emater/RS-Ascar. As mudas para o cultivo das hortas são doadas pela empresa Tonial, por intermédio do policial Lisandro Sherer. Os técnicos do Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar de Getúlio Vargas repassam orientações técnicas na área de Extensão Rural. Parte da produção é cultivada em estufa e outra , em área aberta. A lona que cobre a produção foi obtida com recursos oriundos do Poder Judiciário, por meio da Vara de Execuções Criminais.

Além dos detentos ocuparem o tempo, eles têm benefícios. A cada três dias de trabalho, o preso tem descontado um dia na sua pena. “É um ótimo trabalho, pois dá ocupação para o preso e ajuda o psicológico da pessoa. Ele ganha experiência. Só aqui dentro a gente dá valor à liberdade”, disse um dos presos que conquistou o direito de trabalhar na área externa no cultivo das hortaliças. Outra vantagem, segundo ele, é que tudo é cultivado de forma orgânica, sem adição de adubos químicos.

Para o chefe de segurança, Claudio Adriano Silveira, “as atividades ajudam no bom andamento do serviço e mantêm o ambiente tranquilo”, avalia. A diretora Alice Richetti também destaca a importância de manter os presos ocupados.

Apesar do presidio receber as mudas e a assistência técnica, a Instituição deseja implantar um projeto para irrigação das hortas, mas faltam recursos. A produção pode ser aumentada já que existe espaço. O presídio aceita doações de mudas, sementes, calcário, entre outros materiais para estruturar ainda mais o espaço. A unidade prisional abriga 190 detentos com vários tipos de delitos, com abrangências nas comarcas de Getúlio Vargas e Tapejara.