• 03/02/2019 (18:11:23)

  • Repórter: Jornal do Vaticano/G1

  • Fotógrafo: Foto: Vincenzo Pinto/AFP

​Papa chega aos Emirados Árabes

O Papa Francisco é o primeiro pontífice da história a visitar o país

Viagem deve incluir diálogo com representantes de outras religiões. Minoria católica aguarda ansiosamente pela missa papal de terça-feira (5)

O Papa Francisco chegou, neste domingo (3), a Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, na primeira visita de um pontífice à Península Árabe. Uma minoria de estrangeiros católicos vive no país. Segundo o Vaticano, o objetivo é que a viagem envolva encontros com autoridades de outras religiões.

No Twitter, o Papa escreveu: "Vou (aos Emirados Árabes Unidos) como um irmão para escrever em conjunto uma página de diálogo e percorrer juntos os caminhos da paz. Rezem por nós!".

A cerimônia de boas-vindas ao Papa será realizada na segunda-feira (4), ao meio-dia local (6h de Brasília), na entrada do Palácio presidencial. Francisco se encontrará com o príncipe herdeiro, o xeque Mohamed bin Zayed Al Nahyan.

Ansiedade dos católicos
Em torno da catedral de São José, a movimentação estava intensa desde o início do dia, segundo a agência de notícias AFP. Muitos fiéis se aglomeravam em frente ao edifício, decorado com as cores do Vaticano e dos Emirados Árabes Unidos. Eles buscavam os últimos ingressos para a missa papal de terça-feira (5), considerada a maior reunião a ser realizada no país com mais de 130.000 fiéis.

O padre Elie Hachem, da catedral de São José, está em êxtase e tem apenas a palavra "histórica" na boca. Segundo ele, o Papa vem com "uma mensagem de paz".

Cerca de um milhão de católicos, principalmente trabalhadores asiáticos, vivem nos Emirados Árabes Unidos, onde podem praticar sua religião em oito igrejas.

Doris D'souza, natural de Goa (sudoeste da Índia), diz que "não poderia deixar de aproveitar a ocasião para assistir à missa" de terça, assim que soube da visita do Papa.

Shane Gallagher, um irlandês expatriado, também está "empolgado" com a visita do pontífice e com o fato de acontecer em um país muçulmano. "Vamos ter uma ótima semana", acredita.

"Acho que a visita será um testemunho incrível da tolerância dos Emirados Árabes Unidos", acrescenta o americano Collins Cochet Ryan, de 39 anos.

Tolerância
Há um encontro planejado entre o Papa e o xeque Ahmed al-Tayeb - imã de Al-Azhar, principal instituição do islamismo sunita.

Os Emirados sempre procuraram projetar a imagem de um país aberto, mesmo que pratiquem uma política de "tolerância zero" em relação a qualquer dissidência.

Iêmen
A Anistia Internacional e o Human Rights Watch (HRW) pediram que o Papa Francisco aproveite sua visita para levantar a questão das violações dos direitos humanos no Iêmen, onde forças de Abu Dhabi intervêm militarmente ao lado da Arábia Saudita.

"Apesar de suas declarações sobre tolerância, o governo dos Emirados Árabes Unidos não demonstra interesse real em melhorar seu histórico", disse Sarah Leah Whitson, diretora da HRW para o Oriente Médio e Norte da África.