Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
A SOBERANIA DA AMAZÔNIA BRASILEIRA | Trump recebe Ernesto Araújo e Eduardo Bolsonaro na Casa Branca
Chanceler e deputado reforçaram críticas ao presidente francês dizendo terem apoio dos Estados Unidos á soberania brasileira na Amazônia
Redação
por  Redação
31/08/2019 09:50 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, reuniu-se hoje com o presidente norte-americano, Donald Trump, na Casa Branca, em Washington. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, também participou do encontro.

“Foi um excelente encontro. Um encontro muito raro, deve ser uma das primeiras vezes que o presidente americano recebe pessoas que não são chefe de Estado. Isso foi uma deferência especial que mostra o caráter da relação Brasil-Estados Unidos”, avaliou o ministro das Relações Exteriores brasileiro.

O encontro na capital dos Estados Unidos ocorreu menos de uma semana depois da repercussão dos incêndios na Amazônia Legal durante reunião do G7 – grupo formado pelas nações mais industrializadas do mundo, que envolve Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido – em Biarritz, na França.

De acordo com Araújo, a visita à Casa Branca serviu para “agradecer a atuação no presidente Trump no G7 de contestar (…) ideias de que é preciso algum tipo de internacionalização da Amazônia”.

“Isso é importante neste momento que alguns países, talvez, um país está com ideias esquisitas sobre a nossa soberania na Amazônia. Não um país, mas um determinado líder”.

Livre comércio
Antes do início da reunião do G7, o presidente francês, Emmanuel Macron, cogitou não ratificar o recente acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia em função das queimadas na Floresta Amazônica e chegou a falar em “internacionalização da Amazônia”.

Nos últimos dias, o governo federal mobilizou o Exército para combater o fogo na região e liberou R$ 38 milhões para ações de controle. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, declarou que a ajuda prometida pelo G7 aos países afetados pelos incêndios na região amazônica é “bem-vinda” e o presidente Jair Bolsonaro assinou decreto proibindo queimadas na região por 60 dias.
A inciativa do governo brasileiro na Amazônia após a reunião do G7 já obteve resultado. A Operação Verde Brasil, que reuniu várias agências públicas em torno do combate aos incêndios na Amazônia Legal, registrou diminuição nos focos de queimada.

Agência Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...