Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARADOS HÁ 52 DIAS | Servidores do judiciário decidem hoje sobre o fim da greve
Servidores do judiciário em Erechim Os servidores do Judiciário se reúnem hoje (14) em assembleia, às 10h, em Porto Alegre, para discutir os avanços das...
Redação
por  Redação
14/11/2019 09:15 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Servidores do judiciário em Erechim


Os servidores do Judiciário se reúnem hoje (14) em assembleia, às 10h, em Porto Alegre, para discutir os avanços das negociações com a presidência do Tribunal de Justiça e o possível fim da greve, após 52 dias de paralisação.

Foram 3 reuniões para negociações desde a semana passada com o TJ. O principal avanço foi a criação de um grupo permanente de estudos que vai encaminhar o plano de valorização para todos os cargos dos servidores do judiciário com representantes da administração do Tribunal de Justiça, do Sindijus, da Associação dos Servidores da Justiça, ASJ e da Associação dos Oficiais de Justiça do Rio Grande do Sul, Abogeris.

A oficial escrevente do Fórum de Passo Fundo, Catia Machado, ao ser ouvida pela Rádio Uirapuru, disse que a categoria considera a criação do grupo de trabalho como a segunda grande vitória. A primeira foi a rejeição do Projeto de Lei 93/2017, na Assembleia Legislativa, que extinguiria 5 mil cargos de Oficiais Escreventes.

Catia também destacou outros avanços como a equiparação do vale-refeição, de todas as categorias, a dos magistrados, bem como o auxílio condução dos Oficiais de Justiça indexado a URC (Unidade Real de Custo) que recebe atualização mensal, não corrigido mediante reajuste salarial dos servidores.
A presidência do Tribunal de Justiça vai encaminhar o pedido dos servidores ao pleno para ser votado, depois disso o projeto pode ser encaminhado à Assembleia Legislativa para votação dos deputados, provavelmente ano que vem.

Ainda segundo Cátia, a presidência do TJ se mostrou sensível as Ações Diretas de Inconstitucionalidade que tramitam no Supremo Tribunal Federal que, se forem aprovadas, retiram quase 20% dos salários dos servidores do judiciário do Estado do Rio Grande do Sul. As ações foram propostas pelos dois governos anteriores a Eduardo 

Gabriel Nunes/Rádio Uirapuru

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE