Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Wikimedia
Shandong, o primeiro porta-aviões produzido na China entra em operação
Seu comissionamento marca importante conquista para a China em seus esforços para construir uma potência naval. É o segundo porta-aviões em serviço do país.
Mundo Militar
por  Mundo Militar
17/12/2019 18:37 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A China colocou em operação nesta terça-feira (17) seu primeiro porta-aviões produzido localmente, em uma cerimônia no porto de Sanya, no Mar da China Meridional que contou com a presença do presidente Xi Jinping. Chamado de Shandong em homenagem à província do leste chinês, ele é o segundo porta-aviões em serviço para o país. Seu comissionamento marca uma importante conquista para a China em seus esforços para construir uma potência naval.

Segundo o South China Morning Post, o navio é uma versão modificada da classe Kuznetsov, design da antiga União Soviética, com radares melhorados e capaz de transportar 36 caças chineses J-15, além de helicópteros Z-9 e aviões de alerta aéreo e controle KJ-600 - capacidade maior do que o primeiro porta-aviões da China. Ele foi construído pela empresa Dalian Shipbuilding Industry, que começou seus trabalhos no navio em 2013. Em sua primeira viagem, o porta-aviões cruzou o estreito de Taiwan, rumo ao porto de Sanya, onde deve ficar estacionado, à disposição do Exército Chinês.

Segundo analistas, o navio deve ser usado como uma forma de intimidação às forças independentistas de Taiwan. Em um plano militar apresentado em julho deste ano, a China alertou que não vai renunciar ao uso da força em seu esforço para reunificar Taiwan ao continente e prometeu tomar todas as medidas militares necessárias para derrotar "separatistas"."

Wang Yunfei, especialista naval e oficial aposentado da PLA Navy, disse ao Global Times no dia 5 de dezembro que a China precisa de seis porta-aviões para garantir que porta-aviões suficientes estejam em serviço enquanto os outros estão em manutenção.

Enquanto isso, o Ministério da Defesa Nacional da China ainda não revelou um plano para futuros porta-aviões.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE