Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Governo apresenta proposta para que magistério recupere aulas e finalize greve
Sem definição sobre fim de greve, CPERS leva proposta do governo à assembleia. O governo quer pagar o salário dos dias parados de forma integral em folha suplementar.
Secom/Piratini
por  Secom/Piratini
08/01/2020 17:45 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Em reunião na sede da Secretaria da Educação (Seduc) nesta quarta-feira (8) na capital, o governo apresentou a representantes do Cpers-Sindicato uma proposta para que o Magistério recupere as aulas perdidas pela paralisação de professores e finalize a greve iniciada pela categoria em novembro.

O governo, sensível à condição de professores que ficaram sem receber salário em janeiro, está oferecendo o pagamento em folha suplementar e, além disso, com o fim da greve, evitar que fiquem mais um mês sem receber qualquer remuneração.

Conforme explicou o secretário da Educação, Faisal Karam, o Estado está propondo uma “trégua” no impasse. “Ambos os lados concordam em priorizar os alunos, por isso a urgência está em recuperar as aulas perdidas e finalizar o ano letivo 2019”, disse o titular da Educação.

A proposta do governo é de pagar o salário da categoria relativo aos dias paralisados de forma integral em folha suplementar a ser rodada em até cinco dias úteis partir da adesão da categoria ao acordo.

O desconto proporcional pelos dias paralisados seria feito de forma parcelada ao longo de seis meses. Quando forem retomadas as aulas para a recuperação dos 25 dias de aulas perdidos em 2019, o Estado propõe uma nova rodada de negociação para discutir o desconto.

“Na base da confiança, estamos estabelecendo uma trégua ao impasse, priorizando os estudantes e toda comunidade escolar”, sintetizou o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian, que participou do encontro junto com o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos, e integrantes da Seduc.

O Cpers fez questionamentos à proposta e respondeu que irá levá-la para avaliação dos grevistas em assembleia geral, para então dar a posição oficial da categoria.

Contraproposta e decisão da categoria

O secretário da Educação explicou que o método de negociação foi adotado com outras categorias em greve. Faisal Karam apontou que a proposta tem como objetivo garantir a retomada das aulas. “É uma forma da gente, após a conclusão do ano letivo dos alunos, de nós podermos vir a sentar com o sindicato e discutir a recuperação referente aos dias descontados”, sustentou.

Segundo a presidente do sindicato, Helenir Schürer, a oferta do governo não é satisfatória. “Não é a proposta que a categoria nos autorizou a aceitar; para isso, nós vamos chamar uma nova assembleia”, afirmou.

Ano letivo de 2020

Com a resposta do governo, o CPERS colocou em xeque o início do ano letivo de 2020. Helenir Schürer acredita que, com o desconto, os professores podem articular uma nova greve. “É muito difícil… A categoria, eu tenho certeza, dificilmente aceitará um desconto”, observou a presidente do sindicato.

O secretário da Educação, por outro lado, prevê o reinício das aulas a partir de 19 de fevereiro nas escolas que encerraram o ano letivo dentro do prazo. As demais escolas, segundo Faisal Karam, vão voltar a funcionar após as férias dos professores. “Essas, provavelmente, comecem com 12 e 15 de atraso em relação à data de 19 de fevereiro”, concluiu.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE