Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Acidente com ônibus de turistas na Freeway deixa 13 feridos
Condutor pode ter dormido, resultando no acidente acontecido na madrugada deste domingo. Grupo estava a caminho de Palhoça, em Santa Catarina.
Rádio Guaiba
por  Rádio Guaiba
12/01/2020 10:03 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Um ônibus com turistas, que retornavam de Rivera, no Uruguai, para Santa Catarina, saiu da pista no km 24,5 da Freeway (BR--290), em Santo Antônio da Patrulha, pouco depois da meia-noite deste domingo. Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), no veículo, que transportava 40 pessoas, 13 pessoas precisaram de atendimento médico, com nove ficando gravemente feridos, mas sem risco de morte, e os demais apenas com escoriações. Eles foram levados para hospitais em Santo Antônio, Osório e Tramandaí. A pista no sentido Porto Alegre-Litoral chegou a ficar com duas faixas interrompidas durante o trabalho de resgate das pessoas e remoção do ônibus. O trânsito só foi totalmente liberado no trecho, que fica pouco depois do viaduto de acesso à RS-474, por volta das 3 horas da madrugada.

O trecho onde o ônibus saiu da pista é em uma leve subida e fica antes de uma curva. Segundo informações reportadas pela PRF, o condutor do veículo Volvo B12, de placas AHH-8756, de Curitiba, pode ter dormido na direção, resultando na saída de pista à 0h15. Os turistas catarinense são das cidades de Criciúma, Palhoça e Florianópolis, e os que não se feriram, apesar do susto, ficaram aguardando junto ao Boulevard Freeway e em hospitais onde haviam feridos por outro carro da empresa Bellatur Turismo, que estava acompanhando o veículo acidentado, para prosseguir viagem.

Entre os feridos, são cinco homens e oito mulheres. A guia e os dois motoristas, que foram submetidos ao teste de etilômetro - que resultou em negativo -, não se feriram. A excursão teria iniciado na sexta-feira, em SC, e no começo da noite de sábado, o grupo teria iniciado o retorno para o estado vizinho. “Eu só acordei quando o ônibus já estava tombado. Aí, depois disso o resgate foi bem rápido. Todo mundo foi bem atencioso com a gente”, conta a pedagoga Elaine Wolter, 40 anos, de Criciúma, que aguardava na madrugada ainda, a liberação da irmã, Cátia, e de outros três feridos no Hospital de Santo Antônio da Patrulha”. Passado o susto, Elaine comentava com passageiros a sorte de estar viva. “É melhor nem pensar no que poderia ter acontecido”, conclui.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE