Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Fabiano Correia)
Santa Catarina ainda espera pelos hermanos para a temporada de verão
Os argentinos serão 40% menos este ano, devido a crise no país vizinho e a taxação de 30% sobre os gastos no exterior.
NSCTotal
por  NSCTotal
13/01/2020 16:56 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Uma dúvida incomoda o trade turístico em Santa Catarina: quantos argentinos resistirão à crise e às restrições, e chegarão ao Litoral nas próximas semanas. A queda em relação a anos anteriores já era esperada, devido à crise econômica no país vizinho, que já teve efeito no verão de 2019. Mas é a taxação de 30% sobre os gastos no exterior, aprovada pelo país vizinho, potencializou o problema. Entre os empresários do setor, reina a sensação de incerteza. Florianópolis, Balneário Camboriú e Bombinhas – as cidades preferidas dos argentinos em SC – são as mais afetadas.

Praia central de Balneário Camboriú

A expectativa é de redução de até 40% no número de turistas. Para escapar do imposto, visitantes que tinham feito reserva e decidiram pagar antecipado, antes da taxação começar a valer. Outros têm trocado o cartão de crédito pelo dinheiro vivo, para não serem taxados. E a maioria abriu mão das reservas antecipadas, para negociar preços.

Turista-desejo

Se há menos argentinos viajando na temporada, a expectativa é por visitantes de maior poder aquisitivo. É o “turista-desejo” do trade catarinense. Mas muitos deles deixaram SC de lado e optaram por outros destinos brasileiros neste verão, especialmente o Rio de Janeiro. Entre os motivos está a facilidade de conexão aérea.

Mais voos

O aeroporto de Florianópolis é o único a operar voos regulares para a Agentina neste verão. São 32 voos semanais, operados por quatro companhias, que ligam Santa Catarina a Buenos Aires, Córdoba e Rosário. Na baixa temporada, a frequência cai para 26 mensais, e a Floripa Airport identifica que há necessidade de aumentar a oferta para o ano todo. A concessionária informou que a ampliação de conexões, internas e externas - incluindo Europa, América do Norte e regularidade de voos na América Latina - é um dos focos para 2020. Mas depende de estratégia unificada, agressiva e bem definida entre poder público, aeroporto e trade turístico para gerar demanda.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE