Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação/IGP/SC
Homem morto por incêndio tinha embalagem de álcool na cama, diz Bombeiros de Xanxerê
Laudo descartou hipótese de explosão no carregador de celular.
NSC
por  NSC
15/01/2020 14:22 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Durante a perícia que descartou causa acidental no incêndio que matou um homem cadeirante de 31 anos em Xanxerê, no Oeste catarinense, os bombeiros encontraram uma embalagem de álcool líquido vazia. O recipiente estava sobre a cama onde Emerson Ribeiro de Paula teve mais de 50% queimado na última terça-feira (7). Emerson morreu no domingo (12), após cinco dias internado.

De acordo com o perito em incêndio e explosão do Corpo de Bombeiros de Xanxerê Juliano Antonio Vieira, que realizou a perícia no local, a presença da embalagem de álcool indica a possibilidade de que o fogo tenha surgido a partir do líquido, mas o laudo dos bombeiros não é conclusivo quanto a isso.

Inicialmente, a suspeita era que o incêndio tivesse sido provocado por uma explosão do carregador de celular. Essa informação havia sido repassada pela própria vítima no momento em que foi socorrida, afirmaram os bombeiros.

A perícia, no entanto, concluiu que o incêndio teve causa humana após a exclusão de outras possibilidades. De acordo com Juliano Antonio Vieira, a hipótese de explosão no carregador foi descartada porque ele não estava ligado à tomada. Além disso, a tomada estava preservada, apenas com sinais de queimadura externa, e nem o carregador nem o aparelho de celular apresentavam danos internos.

O laudo do Corpo de Bombeiros foi concluído na terça-feira (13) e entregue no mesmo dia à Polícia Civil. Em entrevista nesta terça ao NSC Total, o delegado responsável pelo caso, Evandro Luiz Oliveira de Abreu, afirmou que ainda é cedo para definir uma linha de investigação e disse que vai aguardar o resultado da perícia do Instituto Geral de Perícias (IGP) para confrontar as informações.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE