Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Sul anuncia greve nacional a partir de sábado
Sindipetro teme que as próximas demissões ocorram no Rio Grande do Sul, com a privatização da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
30/01/2020 22:32 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Sul (Sindipetro-RS), que representa os trabalhadores do Sistema Petrobras no Estado, informa que a categoria petroleira iniciará uma greve nacional a partir do primeiro minuto do dia 1º de fevereiro. O movimento paredista, convocado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), será contra as demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen) e o descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

Nesta sexta-feira, a partir das 14h, o Sindipetro-RS realizará uma coletiva de imprensa na sua sede (rua General Lima e Silva, 818, bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre) para apresentar os motivos da greve, colocar a posição dos trabalhadores e esclarecer sobre os efeitos das ações que ocorrem na empresa em relação à categoria e, por consequência, para a sociedade. Foram mil demissões em massa na Fafen-PR. O Sindipetro teme que as próximas demissões ocorram no Rio Grande do Sul, com a privatização da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas.

Segundo a FUP, um comunicado sobre a paralisação já foi enviado à Petrobras e às suas subsidiárias. Em novembro do ano passado, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, determinou multa diária de R$ 2 milhões aos sindicatos de petroleiros e à Federação Única dos Petroleiros por dia de greve, que durou apenas 24 horas, ao invés dos cinco dias previstos.

Por enquanto, os sindicatos da categoria pelo Brasil, incluindo o Sindipetro-RS, ainda não receberam notificação. Segundo a estatal, “os compromissos pactuados entre as partes vêm sendo integralmente cumpridos pela Petrobras em todos os temas destacados pelos sindicatos”, informou por nota. A Petrobras destacou ainda que o ACT 2020 foi assinado em novembro de 2019, tendo como resultado a criação de fóruns para discussão de temas relevantes para os empregados.

“Ao anunciar mais um movimento grevista, as entidades sindicais não demonstram intenção de buscar consenso e avançar por meio do diálogo. A Petrobras reitera sua boa-fé negocial e permanece disposta a analisar as propostas que venham a ser recebidas dos sindicatos, nos termos e prazos acordados no TST”, concluiu a empresa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...