Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Marinha assina em março contrato bilionário para construção de navios em Itajaí
O projeto é avaliado em US$ 1,6 bilhão - mais de 6 bilhões de reais - e prevê oito anos de atividades, com geração de até 2 mil empregos diretos no auge da produção.
NSC
por  NSC
04/02/2020 22:07 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

O contrato entre a Marinha do Brasil e o consórcio Águas Azuis, para a construção de quatro navios no estaleiro Oceana, em Itajaí, já tem data para ser assinado. Será no dia 4 de março, em Brasília. O projeto é avaliado em US$ 1,6 bilhão - mais de 6 bilhões de reais - e prevê oito anos de atividades, com geração de até 2 mil empregos diretos no auge da produção.

Havia expectativa de que o contrato fosse assinado na sede do Comitê da Indústria de Defesa de Santa Catarina (Comdefesa), na Fiesc, em Florianópolis, ou mesmo em Itajaí. Mas o peso estratégico do projeto pode ter pesado na decisão de manter a assinatura na capital federal.

TCU arquiva denúncia e libera construção de navios da Marinha

Assim que o documento for assinado, começa a fase de projetos, que será feita a partir de Itajaí. A construção das corvetas - modelo de embarcação escolhido pela Marinha - prevê transferência de tecnologia entre o Brasil e a Alemanha. O consórcio é capitaneado pela alemã Thyssenkrupp e a Embraer.

A Emgepron, empresa de projetos da Marinha do Brasil, já abriu um escritório em Itajaí para acompanhar o processo de construção dos navios, e para auxiliar na aproximação de empresas fornecedoras com o projeto. Há expectativa de que a produção mobilize indústrias de diversos setores.

Com o projeto da Marinha, Itajaí pretende se tornar um cluster da indústria naval de defesa. Mão de obra não falta: a região chegou a empregar 10 mil trabalhadores na época de ouro do petróleo, quando os estaleiros offshore estavam em plena atividade. E que, hoje, não emprega mais do que 1,5 mil. A expectativa é que a construção das corvetas traga novos projetos para a indústria local.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE