Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Omar Freitas / Agencia RBS
Cobrança de pedágio nas BRs 101 e 386 começou a funcionar neste domingo
Valor da tarifa é de R$ 4,40 para automóveis e R$ 2,20 para motos. Pagamento deve ser feito nos dois sentidos.
GauchaZH
por  GauchaZH
09/02/2020 10:52 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade


Está funcionando desde 0h deste domingo (9) a cobrança da tarifa nas cinco novas praças de pedágios construídas pela CCR ViaSul no Estado.

Quatro delas ficam entre Canoas e Carazinho, na BR-386: em Victor Graeff (km 204,4), Fontoura Xavier (km 262,7), Paverama (km 375,8) e Montenegro (km 426). A outra está na BR-101, em Três Cachoeiras (km 35,2).

Padronizada em todas as unidades e cobrada nos dois sentidos, a tarifa custa R$ 2,20 para motos e R$ 4,40 para carros. Todo o trecho concedido à CCR ViaSul já conta com os serviços de atendimento médico e mecânico.

A implementação da cobrança vinha sendo testada pela concessionária desde 30 de janeiro. Os motoristas recebiam alerta sobre o começo da operação por material informativo. Conforme a empresa, o período de testes também serviu para finalizar treinamentos e fazer ajustes no sistema de arrecadação. O valor da tarifa será corrigido anualmente pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A CCR é a maior concessionária de rodovias do país, responsável pela administração da Presidente Dutra, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro, e da Anhanguera-Bandeirantes, que conecta a capital paulista ao interior do Estado.

No Rio Grande do Sul, responde pela Rodovia de Integração do Sul (RIS), pacote de quatro estradas federais que cortam o solo gaúcho: freeway e BRs 101, 386 (entre Canoas e Carazinho) e 448. Cabe à empresa paulista fazer manutenção, conservação e melhorias nestas vias. Em contrapartida, vai administrar por 30 anos as sete praças de pedágio, incluindo as duas na freeway.

A concessão exige investimento de R$ 5 bilhões em obras e R$ 3,8 bilhões em conservação e operação, abrangendo 36 municípios, em total de 473,5 quilômetros de estrada. A expectativa é de que sejam gerados 4 mil empregos durante as obras, segundo estimativa do governo do Estado.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE