Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Bolsonaro assina decreto restringindo uso de aviões da FAB por autoridades
Segundo Planalto, decreto também proíbe uso de aviões por substitutos de autoridades.
MBL News
por  MBL News
06/03/2020 14:29 – atualizado há 14 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Nesta quinta-feira (06), o Palácio do Planalto informou que o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que proíbe autoridades brasileiras de viajarem para suas residências em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB).

Segundo o Planalto, o decreto será publicado nesta sexta-feira (06) no “Diário Oficial da União” e revogará o decreto atual, assinado em 2002 por Fernando Henrique Cardoso, presidente na época.

Porém, o novo decreto ainda permite que autoridades vice-presidente da República e os presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado e do Supremo Tribunal Federal possam usar aviões da FAB para se deslocarem para suas residências permanentes.

Desde 2015, um decreto assinado pela então presidente Dilma Rousseff proíbe o uso das aeronaves por ministros de Estado e comandantes das Forças Armadas em deslocamento para o domicílio.

Conforme a Presidência, o decreto prevê:

acaba, em definitivo, com a possibilidade de uso de aeronaves da FAB para deslocamento ao local de residência, salvo necessidade de segurança ou de saúde;
impõe o compartilhamento de aeronaves entre autoridades no caso de voos para o mesmo destino em horários mais ou menos próximos;
não inclui substitutos de autoridades ou autoridades que ocupam o cargo como interino no uso de aeronaves da FAB;
estabelece regras sobre a comprovação, o registro e a divulgação dos motivos que levaram à viagem. A responsabilidade pelos atos será da autoridade requerente e não do Comando da Aeronáutica;
estabelece regras sobre o uso de lugares ociosos na aeronave.
Em janeiro deste ano, o então secretário-executivo da Casa Civil, Vicente Santini, viajou para a Índia com um avião da FAB e gerou uma polêmica no governo. Diante da polêmica, o então ministro em exercício acabou exonerado do cargo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE