Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Para controlar pandemia, MPF sugere suspensão de penas de serviço comunitário
Caso seja aprovado, as penas alternativas seriam interrompidas até 30 de abril.
CNN Brasil
por  CNN Brasil
24/03/2020 20:32 – atualizado há 47 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta terça-feira (24) que juízes avaliem a suspensão temporária de penas de prestação de serviços à comunidade como medida para conter a transmissão do novo coronavírus (COVID-19).

O procurador-geral da República, Augusto Aras

O ofício deve ser analisado pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça). Caso seja aprovado, as penas alternativas seriam interrompidas até 30 de abril.

A subprocuradora-geral da República, Luiza Frischeisen, diz que a medida segue as recomendações do Ministério da Saúde para maior distanciamento social, porque contribuiria para diminuir a circulação de pessoas.

Medidas de contenção

A suspensão de penas de prestação de serviço comunitário seria mais uma ação do Judiciário para controlar a pandemia. Nesta segunda (23), a Justiça do Distrito Federal negou um pedido da OAB e da Defensoria Pública de antecipar a progressão de presos que iriam para regime semiaberto em até 120 dias.

Segundo o ofício, o requerimento seria para prevenir a infecção do novo coronavírus em espaços de confinamento. Quatro outros estados já haviam aprovado ações semelhantes: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Piauí.

Apesar de dizer que a Defensoria Pública "tem razão", a Justiça do DF optou por analisar cada um dos processos, dizendo que as unidades prisionais não teriam estrutura adequada para receber todos os novos presos de uma só vez.

Com a mesma justificativa de conter a propagação do vírus, o governo do estado de São Paulo suspendeu neste mês as saídas temporárias, popularmente conhecidas como "saidinhas". A decisão motivou fugas em massa. De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária do estado, 1.375 detentos escaparam.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...