Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Linha de crédito emergencial para pagar salários a empresas começa a ser liberado nesta segunda
A Medida Provisória (MP) 944, que criou o programa, foi publicada na noite da última sexta-feira (3).
GZH
por  GZH
05/04/2020 23:17 – atualizado há 6 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A linha de crédito emergencial anunciada pelo governo para para financiar a folha de pagamento de pequenas e médias empresas — com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 10 milhões — começa a valer nesta segunda-feira (6).

A Medida Provisória (MP) 944, que criou o programa, foi publicada na noite da última sexta-feira (3). O crédito liberado será de R$ 40 bilhões — 85% do montante de recursos públicos — para ajudar empresas a pagarem os salários de seus empregados em meio à pandemia do novo coronavírus.

O Bradesco anunciou neste domingo (5) que vai financiar o pagamento de 1 milhão de salários. As empresas poderão financiar até duas folhas de pagamento, com limite de crédito de dois salários mínimos (R$ 2.090) por empregado. Como contrapartida, não poderão demitir trabalhadores sem justa causa por 60 dias, contados a partir da contratação do crédito.

O prazo para pagamento será de até 36 meses, com seis meses de carência e sem spread (diferença entre o custo de captação do banco e a taxa de juros cobrada), segundo o Bradesco. Os juros praticados serão de 3,75% ao ano, equivalente ao custo do dinheiro no Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

A linha de crédito emergencial foi instituída pela MP 944, que instituiu o Programa Emergencial de Suporte ao Emprego, regulamentada pelo (Conselho Monetário Nacional (CMN) e pelo Banco Central para garantir a sobrevivência de empresas durante a crise.

De acordo com a medida, a linha de capital de giro receberá 85% de recursos do Tesouro Nacional, com montantes repassados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e 15% dos próprios bancos.

Veja como será o programa:

QUAIS EMPRESAS PODERÃO SOLICITAR O CRÉDITO?

O crédito será destinado a empresas com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 10 milhões.

ONDE O DINHEIRO PODERÁ SER USADO?

O valor é destinado para o pagamento de salários, cobrindo dois meses da folha.

QUAL O LIMITE DE FINANCIAMENTO

O limite de financiamento é de dois salários mínimos. Ou seja, se o trabalhador ganha mais de dois salários mínimos, a empresa terá que complementar o salário.

QUAIS AS OBRIGAÇÕES DA EMPRESA?

Ao contratar o crédito, a empresa não poderá demitir o funcionário nesse período de dois meses.

QUAL A TAXA DE JURO DO CRÉDITO?

A taxa de juros será de 3,75% ao ano — valor atual da Selic.

DE ONDE SAIRÁ O DINHEIRO PARA OS FINANCIAMENTOS?

Dos R$ 20 bilhões liberados em cada um dos dois meses, R$ 17 bilhões serão recursos do Tesouro Nacional e R$ 3 bilhões de bancos privados.

COMO O DINHEIRO CHEGARÁ AO EMPREGADO

O salário será depositado diretamente para o trabalhador, sem passar pelo empregador. A dívida é da empresa.

QUANDO A EMPRESA DEVERÁ COMEÇAR A PAGAR O EMPRÉSTIMO?

Serão seis meses de carência e 36 meses para o pagamento.

QUANDO A MEDIDA COMEÇA A VALER?

Para a medida entrar em vigor, será necessário a edição de uma medida provisória (MP) que prevê a abertura de crédito extraordinário de R$ 34 bilhões por dois meses (R$ 17 bilhões por mês) e a criação de um fundo com aporte do Tesouro, operacionalizado pelo BNDES, fiscalizado e supervisionado pelo Banco Central.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...