Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Agro
Custo de produção traz oportunidade de renda para o plantio de trigo, diz FecoAgro/RS
O custo total para produção do trigo no Rio Grande do Sul deve chegar a R$ 3.282,38 por hectare.
revista Rural
por  revista Rural
06/05/2020 23:52 – atualizado há 24 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Com a alta do preço do trigo em 21,7%, o produtor pode ter uma opção de renda na cultura nesta safra no Rio Grande do Sul. A avaliação é da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS). A entidade divulgou o primeiro levantamento dos custos da lavoura para o período, conduzido pelo economista Tarcísio Minetto. Com esta projeção, o necessário em produção para cobrir o custo será 14,4% menor em relação ao período anterior.

O custo total do trigo no Rio Grande do Sul deve chegar a R$ 3.282,38 por hectare.  Com isso, o produtor precisará colher 65 sacas para cobrir o custo total nestas condições. Já o desembolso ou custo variável ficou em R$ 2.408,64, com projeção de 48,17 sacas para cobrir os custos. Isto significa um leve aumento no custo total do trigo de 4,19% e de 3,71% no desembolso, em relação ao último estudo da safra de 2019. Sem a remuneração ao fator terra, o custo é de R$ 2.944,32 por hectare.

Na avaliação do estudo, esta é considerada uma relação de custos bem melhor que as últimas safras. “Os dados mostram que claramente temos um momento propício e favorável para o plantio do trigo. Se pegarmos o histórico dos últimos 20 anos temos um dos melhores momentos para o plantio, baseado principalmente na alta do dólar, o que influenciou no preço e os insumos, mesmo com elevação, não subiram todos na mesma proporção”, destaca o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires.

Conforme o dirigente, isto remete a um aumento significativo na área de trigo, que pode chegar a mais de 20%. “Teremos a possibilidade de uma rentabilidade além de que o produtor tem consciência de que precisa de uma cultura de inverno para a proteção do solo e também ter uma possibilidade de renda já que não houve esta renda na soja”, observa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...