Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Decreto de Bolsonaro não altera protocolos no Rio Grande do Sul
Serviços de salão de beleza e academia podem funcionar com restrições em regiões com bandeiras amarela e laranja.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
12/05/2020 15:29 – atualizado há 21 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O governador Eduardo Leite afirmou, em videoconferência nesta terça-feira, que o decreto do presidente Jair Bolsonaro – que inclui academias e salões de beleza na lista de atividades essenciais – não altera os protocolos do Rio Grande do Sul.

O modelo de Distanciamento Controlado prevê o funcionamento dessas atividades nas regiões identificadas com as bandeiras amarela e laranja, seguindo os protocolos de 25% da ocupação total do estabelecimento e atendimento individualizado. "A essencialidade de um serviço não significa que ele pode abrir em qualquer condição", apontou o chefe do Estado.

Em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), o presidente Jair Bolsonaro ampliou o Decreto 10.282, de 20 de março, e incluiu na última segunda-feira as academias de ginástica e salões de beleza no rol de atividades consideradas essenciais. Ou seja, que podem funcionar, obedecendo protocolos de segurança, durante a pandemia de Covid-19.

Logo após a publicação do decreto, os governadores do Ceará, Bahia e Maranhão, entre outros, reprovaram a decisão e sinalizaram que devem permanecer com essas atividades suspensas, indo de encontro com o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que delega aos Estados a autoridade de decidir quais serviços devem funcionar durante a pandemia. O governador do Rio, Wilson Witzel, afirmou hoje que o presidente Jair Bolsonaro "caminha para o precipício e quer levar com ele todos nós".

Bolsonaro respondeu em uma postagem no Twitter: "Afrontar o estado democrático de direito é o pior caminho, aflora o indesejável autoritarismo no Brasil".

No último dia 7 deste mês, o presidente já havia incluído o setor de construção civil e atividades industrias como serviços essenciais. A decisão ocorreu após reunião com empresários no Supremo Tribunal Federal (STF).

Naquele mesmo dia, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, disse que a determinação não mudaria o funcionamento do setor de construção civil no Estado - que já estava liberado diante protocolos restritos. Na oportunidade, Leite disse que ainda que Bolsonaro determine o que é considerado ou não atividade essencial, o governo estadual tem "autonomia" para decidir como essas atividades irão funcionar.

Além da construção civil e de atividades industriais, o governo já tinha classificado como essenciais diversas atividades, como indústrias químicas e petroquímicas de matérias primas ou produtos de saúde, higiene, alimentos e bebidas e produção, transporte, entre outras.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...