Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
Collor pede perdão pelo confisco do saldo de cadernetas de poupança
Ex-presidente se manifestou pelas redes sociais
Folhapress
por  Folhapress
18/05/2020 15:46 – atualizado há 11 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O ex-presidente Fernando Collor de Mello pediu desculpas, nesta segunda-feira (18), pelo confisco de parte do saldo de cadernetas de poupança e contas-correntes em março de 1990.

Jornal do Senado

Em uma sequência de publicações na rede social Twitter, Collor afirmou que a decisão - que classificou como dificílima - foi tomada na tentativa de conter a hiperinflação de 80% ao mês.

"Os mais pobres eram os maiores prejudicados, perdiam seu poder de compra em questão de dias, pessoas estavam morrendo de fome", disse o ex-presidente, hoje senador por Alagoas.

"Sabia que arriscava ali perder a minha popularidade e até mesmo a Presidência, mas eliminar a hiperinflação era o objetivo central do meu governo", escreveu.

O Plano Collor limitou os saques a 50 mil cruzeiros, moeda que substituiu o cruzado novo. A promessa do governo à época era controlar a inflação e desbloquear o dinheiro um ano e meio depois.

O controle da inflação só veio em 1994, com o Plano Real. As perdas dos poupadores com o Plano Collor até hoje é discutida na Justiça.

Nas publicações feitas nesta segunda, Collor disse ter acredito que "medidas radicais eram o caminho certo."

O ex-presidente reforçou sua presença digital recentemente no Twitter. Tem interagido com seguidores e dado resposta bem-humoradas; já fez cometários sobre o reality show Big Brother Brasil e agradeceu a elogios a sua aparência na época em que ocupou o Planalto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...