Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Esporte
Conmebol define punições para expulsos no Gre-Nal da Libertadores
Paulo Miranda e Moisés pegaram as penas mais pesadas
GZH
por  GZH
22/05/2020 22:09 – atualizado há 8 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Cinquenta e três dias depois de ouvir as manifestações das defesas de Grêmio e Inter, a Conmebol definiu nesta sexta-feira (22) as punições para os jogadores julgados pela confusão no Gre-Nal válido pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores. O zagueiro gremista Paulo Miranda e o lateral colorado Moisés pegaram as maiores penas, com quatro jogos de suspensão cada.

O atacante Luciano e o volante Edenilson também sofreram punições pesadas: cada um terá de cumprir três jogos de suspensão na Libertadores. Os gremistas Caio Henrique e Pepê e os colorados Victor Cuesta e Praxedes cumprirão a punição automática de um jogo. Os clubes ainda terão de pagar pouco mais de R$ 40 mil, cada, pelas multas sofridas pelos atletas expulsos na partida.

O Gre-Nal válido pela segunda rodada do Grupo E ocorreu em 12 de março, na Arena, e terminou empatado por 0 a 0. Os dois clubes gaúchos, com quatro pontos, lideram a chave.

O América de Cali aparece em segundo, com três pontos, e a Universidad Católica, com zero, ocupa a lanterna. A Libertadores está paralisada por tempo indeterminado em razão da pandemia de coronavírus.

As punições

Grêmio

  • Paulo Miranda: 4 jogos
  • Luciano: 3 jogos
  • Pepê: 1 jogo
  • Caio Henrique: 1 jogo

Inter

  • Moisés: 4 jogos
  • Edenilson: 3 jogos
  • Cuesta: 1 jogo
  • Praxedes: 1 jogo
Wesley Santos/Agência PressDigital

Inter vê equilíbrio nas punições de expulsos no Gre-Nal, mas lamenta suspensão de Cuesta

A Conmebol informou que o lateral-esquerdo Moisés precisará cumprir quatro jogos de punição, o volante Edenilson três partidas e o zagueiro Víctor Cuesta e o meia Bruno Praxedes cumprirão apenas suspensões automáticas. O clube ainda terá de pagar 9 mil dólares (cerca de R$ 50 mil) em multas pelas expulsões.

Questionado sobre a possibilidade de recurso das penas, o vice-presidente jurídico do Inter, Gustavo Juchem, revelou que, por conta de uma regra da entidade sul-americana, apenas o caso do lateral Moisés é passivo de nova ação.

— A Conmebol tem um critério que impossibilita que nós possamos recorrer de punições abaixo de três jogos. Com isso, só temos a possibilidade de recurso na punição dada ao Moisés. Não decidimos isso ainda de forma oficial, mas obviamente tentaremos diminuir esta punição — comentou o advogado, ressaltando que o clube foi notificado há pouco pela entidade e tem 15 dias para apresentar o recurso.

O principal lamento do departamento jurídico colorado ficou por conta da punição ao zagueiro Víctor Cuesta. Na visão do clube, não havia provas para a punição, porém, como o atleta havia sido expulso dentro de campo, dificilmente a suspensão automática seria anulada.

— Acho que houve uma injustiça na punição dada ao Cuesta. Já que as provas de vídeos que apresentamos mostram que não houve agressão por parte do jogador. Porém, a súmula referia que o Cuesta havia agredido um jogador do Grêmio, e isso geraria uma punição maior. Sabemos que é muito difícil a absolvição de um jogador que cumprirá apenas a automática — explicou.

Bruno Praxedes e Edenilson também foram punidos. Na visão do vice-presidente jurídico, as punições foram rígidas para os dois lados.

— Aos demais (Edenilson e Praxedes), é uma questão de dosagem subjetiva que não é a que gostaríamos. Pelo o que sei, do que foi imposto também aos atletas do Grêmio, penso que, assim como o árbitro tentou equilibrar as expulsões durante o jogo, parece que a Unidade Disciplinar quis punir os dois lados de forma parecida — finalizou.

Paulo Miranda recebe maior pena entre os gremistas expulsos no Gre-Nal da Libertadores

No lado gremista, a maior pena recaiu sobre o zagueiro Paulo Miranda. O defensor recebeu uma suspensão de quatro jogos e uma multa de 3 mil dólares (R$ 16.590). Por ter sido superior a três partidas esse é o único caso que cabe recurso.

Luciano foi penalizado em três jogos e recebeu a mesma multa de Paulo Miranda. Já o atacante Pepê e o lateral Caio Henrique foram suspensos por uma partida e mais US$ 1,5 mil (R$ 8.295).

— O Pepê podia ter sido absolvido, mas na pratica dá na mesma porque ele ainda não cumpriu a suspensão automática, que é obrigatória —avalia o advogado gremista Jorge Petersen.

Com os resultados, Pepê e Caio Henrique não poderão enfrentar a Universidad Católica, em Santiago, quando a Libertadores recomeçar. Luciano só poderá retornar na última rodada, contra o América de Cali, enquanto Paulo Miranda só ficará à disposição nas oitavas de final.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...