Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Segurança
Padrasto acusado de matar criança em Erechim tem longo histórico por violência doméstica
Polícia confirma que mãe da criança saiu de casa no final da noite para comprar drogas e não leite, como disse em depoimento que foi desmentido pelo companheiro.
Leandro Vesoloski/Rádio Uirapuru
por  Leandro Vesoloski/Rádio Uirapuru
29/05/2020 06:44 – atualizado há 1 dia
Continua depois da publicidadePublicidade

O homem que foi preso em Erechim na madrugada desta quinta-feira(28), acusado de agredir e matar o enteado no bairro Aeroporto, possui um longo histórico de registros policiais por violência doméstica.

A Delegada Regional de Polícia, Diana Zanatta, disse em entrevista para a Rádio Uirapuru nesta quinta feira, que o homem possui pelo menos 10 ocorrências de agressões a ex-companheiras. Os registros iniciaram em 2004 quando o homem agrediu uma mulher que estava grávida na época.

Quando foi preso, o acusado apresentava sinais de drogadição e alegou que havia ingerido bebida alcoólica.

A mãe, em seu primeiro depoimento, disse que havia deixado a criança aos cuidados do padrasto e teria saído para buscar leite. Quando retornou teria encontrado a criança ferida e aparentando estar morta. A versão foi desmentida durante depoimento do padrasto que informou que a mulher é usuária de drogas e teria saído em busca de entorpecente. A informação foi confirmada pela polícia.

Pedro Henrique de Beskow, de 10 meses, apresentava ferimentos na cabeça e hematomas na cervical.

O delegado responsável pelo caso, José Roberto Lukaszewigz disse que além do histórico de violência doméstica, o homem já teria tentado envenenar a criança em outra oportunidade. O delegado revelou ainda que Pedro Henrique é o sétimo filho da mulher de 32 anos e que os outros seis são cuidados por outras pessoas.

Até agora, diz a polícia, ainda não há nenhum elemento que indique a participação da mãe no caso.

As investigações realizadas pela polícia civil prosseguem e o inquérito policial deverá ficar pronto em cerca de 10 dias.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...