Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Reconstituição da morte do menino Rafael deverá acontecer em quinze dias
A ação vai ocorrer de madrugada, justamente no horário em que o menino foi morto.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
02/06/2020 21:48 – atualizado há 42 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Uma reunião realizada nesta terça-feira, em Planalto, com a presença a chefe de Polícia, Nadine Anflor, iniciou a preparação para a reconstituição da morte do menino Rafael Winques. Além de Anflor, participaram do encontro integrantes do Ministério Público, o delegado de Planalto, Ercílio Carletti, o diretor do Departamento de Polícia do Interior, delegado Joeberth Nunes e a diretora geral do IGP, perita criminal Heloisa Kuser.

Depoimentos ainda estão sendo confrontados pela equipe de policiais que trabalha no caso de forma exaustiva | Foto: In Foco RS / Divulgação / CP

Ao visitar o local onde o menino Rafael foi morto, foram definidos pela chefe de Polícia, Nadine Anflor e a diretora-geral do Instituto-Geral de Perícias (IGP), Heloísa Helena Kuser, os detalhes de como irá ocorrer a reconstituição do crime, que deverá ser realizada nos próximos 15 dias. A ação será realizada de madrugada, justamente no horário em que o menino foi morto.

As investigações, por outro lado, prosseguem e a Polícia investiga se outras pessoas participaram da morte do menino de 11 anos, fato ocorrido no dia 15 deste mês. A mãe, Alexandra Dougokenski assumiu ter matado o filho, após medicá-lo, mas sem intensão de tirar a vida do mesmo.

Depoimentos ainda estão sendo confrontados pela equipe de policiais que trabalha no caso de forma exaustiva.

Na tarde desta terça-feira a delegada Nadine respondeu perguntas da imprensa, mas deu poucos detalhes das investigações. Ela ponderou em relação à importância da reconstituição a fim de agregar mais informações e dados ao inquérito. Na entrevista a diretora do IGP, Heloisa Kuser disse que prosseguem os trabalhos de pesquisas e que não há um prazo determinado para a divulgação de resultados das perícias. "Inúmeros elementos ainda precisam ser devidamente analisados em laboratório", informou.

A delegada disse que nos próximos sete dias com certeza as ações voltam-se em executar a reconstituição do crime. “O inquérito está bem robusto e dentro de 15 dias, já com resultado dos laudos do IGP voltaremos a Planalto para realizar a reconstituição do crime”, afirmou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...