Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Agro
Consequência da seca, falta de alimentos para o rebanho leiteiro preocupa produtores
Técnicos alertam para necessidade de nova postura e estratégias diferenciadas na superação do período crítico
GAZETA DO SUL - SANTA CRUZ DO SUL
por  GAZETA DO SUL - SANTA CRUZ DO SUL
13/07/2020 13:18 – atualizado há 19 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A longa estiagem que atingiu o Rio Grande do Sul exige dos produtores e técnicos uma nova postura e estratégias diferenciadas para superar o período crítico que virá pela frente e garantir a alimentação do rebanho leiteiro. A escassez de chuva começou ainda no período de utilização das pastagens de verão e se estendeu até a implantação e início do uso da produção de inverno. Como consequência, a seca afetou a elaboração de silagem e estocagem desse alimento, que precisa durar o ano inteiro como um importante suplemento alimentar.

A alimentação do rebanho leiteiro após o período de seca que atingiu o Estado e com a chegada do inverno foi o tema da primeira reunião virtual do Grupo Coletivo do Leite, realizada na terça-feira. A partir do tema “Acabou a seca! Silagem está ruim! Como fica a produção de Leite?”, os extensionistas rurais da Emater/RS-Ascar Vivairo Zago e Diego Baden dos Santos, com a mediação do gerente regional adjunto, Carlos Corrêa da Rosa, abordaram cuidados e técnicas de manejo que os agricultores devem observar nos rebanhos.

A reunião foi transmitida simultaneamente nas redes sociais da Emater no YouTube e Facebook e contou com a participação de extensionistas rurais e agricultores gaúchos e de outros estados.

Vivairo Zago destacou que a produção de milho silagem na safra 2019/2020 no Rio Grande do Sul foi de 326.750 hectares, sendo 24,3 mil hectares na região administrativa de Soledade. O extensionista ressaltou ainda que uma característica da região é o cultivo de milho silagem em duas safras: após o milho grão ou a produção de tabaco e feijão. Em situações normais, a produtividade média é de 35 toneladas de massa verde por hectare. “No entanto, esse ano, tivemos uma perda de 55% do volume produzido e também com baixa qualidade da silagem. A seca afetou todo o período, desde o plantio, a formação da espiga e a ensilagem e, consequentemente, resultou numa silagem com baixo valor energético e com escassez de silagem devido ao baixo volume produzido”, ressaltou.

Atenção para a quantidade de proteína

Com a baixa quantidade e qualidade da silagem produzida, o rebanho leiteiro pode dar sinais de que a alimentação precisa de mais atenção do produtor. Segundo o extensionista Diego Baden do Santos, se as vacas estão apresentando baixo escorio de condição corporal, esterco mole e de coloração escura, problemas de retorno no cio e nitrogênio ureico no leite alto (NUL) é preciso ficar atento. “Esse valor de nitrogênio ureico do leite é o resultado de uma análise feita em laboratórios credenciados para identificar o nível de nitrogênio que está sendo excretado pela glândula mamária. O ideal é que esse valor fique entre 12 e 14. Isso significa que a quantidade de proteína e a produção estão muito boas”, diz. “Se está abaixo desse número significa que falta proteína na dieta para esse animal. Assim como, se estiver acima desse valor, é um indicativo que está sobrando proteína e essas vacas não estão absorvendo. Quando isso acontece é preciso ajustar a dieta.”

Quando o produtor identificar os sintomas citados, o extensionista orienta que seja realizada a revisão do cálculo nutricional do rebanho leiteiro – diminuir a proteína e aumentar a energia da dieta. “Como temos mais proteína vindo da pastagem é preciso verificar a necessidade de comprar a ração com mais proteína. Isso também baixa o custo de produção.”

Nova ferramenta

Tradicionalmente realizadas de forma presencial, as capacitações de técnicos e agricultores precisaram ser feitas de forma virtual em razão da pandemia do novo coronavírus. Carlos Corrêa da Rosa frisou que a experiência foi desafiadora para o grupo. “É uma ferramenta diferente que a Emater adotou para a extensão rural. Mas ao mesmo tempo superou as nossas expectativas pelo número de participantes, o interesse deles no assunto e a manifestação de quem participou, sugerindo novos temas a serem abordados nas próximas edições”, avaliou.

O adjunto destacou que o uso da ferramenta deve ocorrer em outras oportunidades, mas mantendo o horário. “Entendemos que esse é um horário que os produtores têm para assistir em casa, no intervalo das atividades na manhã e tarde. Nossa preocupação é que o assunto venha a atender ao interesse do participante e o auxiliar a resolver alguns dos problemas que tem na sua propriedade”, disse o gerente regional adjunto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...