Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Rio Grande do Sul
Justiça interdita Presídio Central devido à propagação do coronavírus
Decisão impede chegada de presos pelas próximas duas semanas.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
21/07/2020 21:35 – atualizado há 59 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A Vara de Execuções Criminais (VEC) interditou, nesta terça-feira, o Presídio Central, hoje chamado oficialmente de Cadeia Pública de Porto Alegre devido a propagação do coronavírus entre os apenados. Com isso, a maior unidade prisional do Estado fica impedida de receber presos pelas próximas duas semanas. Os detentos também não poderão ser transferidos de galerias a fim de frear o contágio entre presos e funcionários. A Secretaria da Administração Penitenciária informa que o Central tem capacidade para receber cerca de 2 mil presos, mas abriga aproximadamente 4 mil. O governo ainda não se manifestou sobre o caso.

A interdição foi assinalada pela juíza Sonáli da Cruz Zluhan, que atua no 2º Juizado da 1ª VEC de Porto Alegre. No despacho, a magistrada revela ter vistoriado in loco a casa prisional: “Determino a interdição da casa prisional, pelo período de 15 dias, a contar da presente data. Tal interdição tem como finalidade apurar, com a maior precisão possível, os presos que já estão contaminados, evitando que novos apenados que adentrem o estabelecimento também se contaminem, o que causaria uma grande demanda de atendimento, inclusive hospitalar em alguns casos, sendo que não há leito suficiente e tampouco local de isolamento, pois todos os hospitais estão trabalhando com uma enorme demanda, estando o sistema de saúde já sobrecarregado”, proferiu.

A juíza adverte que a Cadeia Pública não possui local disponível para atender grande demanda de presos com Covid-19, que necessitam de isolamento, além do fato da Susepe não ter montado hospital de campamnha para os presos infectados.“Relembro que a CPPA possui pavilhões com galerias, sem separação por cela, e que as mais lotadas tem mais de trezentos presos recolhidos em uma galeria. Assim, a contaminação em massa na CPPA seria, no mínimo, desastrosa e em proporções incontroláveis”, sublinhou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...