Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Pesquisa da UFPel estima que RS tenha cerca de 108,7 mil casos de Covid-19
Foram realizados 4,5 mil testes em nove cidades gaúchas no último final de semana
CP
por  CP
29/07/2020 15:31 – atualizado há 32 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) divulgou, nesta quarta-feira, os resultados da sexta etapa da pesquisa sobre a prevalência do coronavírus no território gaúcho. Segundo os dados, estima-se que 108.716 pessoas têm ou já tiveram o vírus no Rio Grande do Sul, o que corresponde a um caso real de pessoa infectada pela Covid-19 para cada 104 habitantes.

Os dados foram apresentados pela coordenadora do Comitê de Dados do governo Leany Lemos e o médico epidemiologista e professor UFPel Fernando Barros. Para a análise, foram feitos 4,5 mil testes rápidos entre os dias 24 e 26 de julho, em nove cidades gaúchas, onde foram descobertos 43 novos casos positivos.

Divulgação/Reprodução

Entre os positivos, a maioria ocorreu em Porto Alegre, com 18 casos, seguido por Canoas, que teve 9, e Passo Fundo com 17. Caxias do Sul, Santa Cruz do Sul e Santa Maria tiveram dois testes positivo em cada cidade, e Pelotas, Uruguaiana e Ijuí, um caso positivo em cada município.

Em comparação com os resultados da quinta etapa, realizada no início de julho, onde foram estimados 53 mil casos, a sexta fase da pesquisa mostrou que a prevalência de pessoas com anticorpos dobrou no Estado.

Segundo o professor, as medidas de proteção contra o vírus continua sendo o distanciamento social e a higienização. "Precisa isolar pessoas que são positivas e evitar eventos que disseminam a infecção. Uma pessoa positiva que chega no bar pode infectar 30 pessoas. Atividades que disseminam a infecção precisa parar", alertou.

"É uma grande doença que tivemos em 100 anos, entre duas guerras brutais, com outras pandemias que não tiveram essa mesma dimensão. Hoje está todo mundo exausto, trancados em casa, pensando até quando? Nós não sabemos, talvez sim. Temos que nos cuidar. Ninguém sabe se essa doença pode ser leve ou catastrófica se for infectado. O vírus se manifesta de formas estranhas e traiçoeiras", reforçou.

Barros recomenda ainda ampliação de testes RT-PCR e reforçar as medidas de distanciamento social especialmente em Porto Alegre, Região Metropolitana e Passo Fundo. Sobre o decreto de lockdown, adotado por algumas cidades do interior, o professor da UFPel mostrou-se favorável a medida. "É melhor fazer do que não fazer. São decisões municipais com base no quadro que cada município tem. A medida de distanciamento social quanto mais fizer, melhor é", afirmou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...