Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Trabalhadores de Correios decretam greve por tempo indeterminado
Categoria protesta contra proposta de reajuste zero e retirada de direitos da categoria.
CP
por  CP
17/08/2020 22:59 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

Em uma assembleia presencial na Praça da Alfândega, em Porto Alegre, na noite desta segunda-feira, os trabalhadores de Correios decidiram decretar greve por tempo indeterminado. A paralisação é nacional e até às 21h, outros quinze sindicatos tiveram a mesma deliberação pelo país. O Sindicato dos Trabalhadores de Correios do RS (Sintect-RS) divulgou uma carta aberta que critica o governo federal e a direção da empresa. “Na negociação deste ano, apresentaram reajuste zero e querem retirar praticamente todos os direitos da categoria”, diz o documento.

Imagem: Arquivo/Agência Brasil

Segundo o secretário-geral do Sintect-RS, Alexandre dos Santos Nunes, o movimento é a única resposta possível a proposta da empresa que retira 70 cláusulas do Acordo Coletivo dos trabalhadores. “Tudo que conquistamos ao longo de 30 anos está sendo retirado. Isso demonstra um total desprezo pelo que representa o trabalhador de Correios para o Brasil, que mesmo frente a uma pandemia, continua nas ruas, de porta em porta, atendendo a população”, ponderou ele.

A categoria é contra a aceleração do processo de privatização da estatal, ainda que a demanda tenha aumentado em 25% no país, por conta da pandemia. “Fecharam agências, não realizam concurso para substituir os trabalhadores que se aposentaram ou saíram em sucessivos Programas de Demissão, entre outras iniciativas que têm levado aos problemas que hoje afetam a população”, diz outro trecho da carta aberta. Nunes acredita que a decretação de greve em nível nacional representa a indignação dos trabalhadores com a empresa, que não se preocupa em proteger os trabalhadores do coronavírus, impõe sobrecarga de trabalho, exige trabalho aos sábados e domingos, não testa os trabalhadores, mesmo os que conviveram com colegas afastados pela Covid-19 e que agora, ataca brutalmente os direitos da categoria.

“Não vamos aceitar um ataque com esta dimensão. As representações dos trabalhadores pediram várias vezes para que a negociação não fosse feita neste momento, mas a empresa está exatamente aproveitando a pandemia para ‘passar a boiada’ nos direitos da categoria. E a nossa resposta é a greve”, acrescentou Nunes. O dirigente esclarece que a greve é em defesa dos direitos, da vida e contra o sucateamento do Correios.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...