Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Instituição de Porto Alegre é a primeira autorizada pela Anvisa a realizar um novo exame de câncer de próstata
Coordenadora Louise Hartmann define a liberação como um marco na medicina nuclear no País.
O Sul
por  O Sul
26/08/2020 22:01 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

O Incer (Instituto do Cérebro) da PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) se tornou nesta semana a primeira instituição credenciada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a oferecer e comercializar o exame “PET-CT 18F-PSMA-1007”, que detecta câncer de próstata. Trata-se de um radiofármaco até então restrito a protocolos de pesquisa científica.

Com isso, todas as pessoas com suspeita de possuírem esse tipo de doença poderão fazer o teste. E os casos confirmados terão a possibilidade de observar a extensão da mesma.

(Foto: Divulgação/PUCRS)
“Uma nova, moderna e segura modalidade de imagem do instituto permite a avaliação adequada do câncer de próstata desde antes da cirurgia”, ressaltou o site www.pucrs.br. “Em casos em que o PSA (Antígeno Prostático Específico) passa a subir (uma proteína produzida pelo tecido prostático), também é possível fazer a avaliação precoce de recidiva (quando o tumor retorna mesmo após um procedimento) e antecipar a avaliação de tratamentos mais adequados a cada caso.”

A coordenadora do Centro de Produção de Radiofármacos do Instituto, Louise Hartmann, enaltece a conquista: “É muito gratificante vermos que o resultado do trabalho desenvolvido pela nossa equipe durante meses vai poder auxiliar no manejo de tantas pessoas que sofrem com câncer de próstata, contribuindo assim para a melhora da sua qualidade de vida. Com certeza, trata-se de um grande avanço para a Medicina Nuclear do Brasil”.

“Esse exame é indicado principalmente para quem tem recidiva, continua com aumento do PSA e não consegue detectar onde está a doença. Por meio desse exame, conseguimos ter uma visualização melhor da localização do câncer de próstata e se teve metástase ou não”, explica a coordenadora da Medicina Nuclear do InsCer, Cristina Matushita.

As técnicas de imagem disponíveis até então apresentam limitações para o diagnóstico e estadiamento da doença. “O ‘PET-CT 18F-PSMA-1007’ vem para suprir esta lacuna, trazendo maior precisão nos diagnósticos”, salienta a Universidade. “Assim, a definição do tratamento ideal pode ser adaptada, e consequentemente melhora a resposta do paciente.”

Incidência

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. Além disso, entre 20 a 40% dos pacientes submetidos à prostatectomia radical (principal cirurgia que retira toda a próstata e alguns tecidos do entorno) voltam a desenvolvê-la (recidiva bioquímica) dentro de dez anos após o tratamento.

Portanto, por se tratar de uma doença que traz tantos impactos para a sociedade, é de suma importância que se desenvolvam tecnologias para seu melhor diagnóstico e tratamento.

Quando o câncer de próstata é detectado precocemente, e quando a doença é localizada exclusivamente na glândula prostática, a taxa de sobrevida em cinco anos é de quase 100%.

Entretanto, uma vez que o câncer se espalha para além da próstata, as taxas de sobrevida diminuem drasticamente. Por isso, o objetivo do estadiamento (a mensuração do câncer) é definir a extensão do tumor e a distinção de pacientes que apresentam a doença confinada ao órgão, ou já espalhada.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...