Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Governador sanciona lei que institui plano de carreira do Ministério Público
Cerimônia no auditório do MPRS, na capital, seguiu orientações deste momento de pandemia e teve acesso restrito de participantes.
Assessoria Gov/RS
por  Assessoria Gov/RS
09/09/2020 00:27 – atualizado há 37 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Aprovado em agosto por 42 votos favoráveis e oito contrários, o Projeto de Lei 511/2019, que institui o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) dos servidores do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), foi sancionado pelo governador Eduardo Leite nesta terça-feira (8/9), em ato simbólico no auditório do MPRS, na capital.

“Recompensar os servidores pelo bom trabalho, assim como aplicar consequências para casos de baixo desempenho é fundamental. E, para isso, é fundamental que as regras, os critérios e os impactos na carreira e na remuneração estejam claros, na forma de lei. É o que estamos fazendo aqui, após aprovação de larga maioria dos deputados e, por isso, merece a minha sanção”, afirmou o governador.

"É fundamental que regras, critérios e impactos na carreira e na remuneração estejam claros, na forma de lei", disse Leite - Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

O procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, afirmou que o MP gaúcho é considerado um dos mais efetivos do país, mas o único que não tinha um plano de carreira. “É preciso reconhecer o valor dos servidores que se dedicam, mas fazer isso com inteligência. É necessário dar a possibilidade de ascender na carreira, mas também precisamos compatibilizar isso com o momento difícil que a gestão publica enfrenta, com dificuldades financeiras. Por isso, a agora lei vai permitir uma melhor gestão dos servidores. Vai gerar uma economia após cinco anos, mas também irá permitir a reposição de servidores e manter a qualidade do serviço com menos dispêndio de dinheiro público”, destacou Dallazen.

De modo geral, o PCCS reduz os salários iniciais e aumenta a remuneração final que pode ser obtida pelos servidores do MP. O plano também acaba com as mais de 30 carreiras do Ministério Público, criando apenas duas: uma de nível médio e outra de nível superior.

Nessas carreiras, os funcionários poderão conquistar até nove promoções, com aumentos salariais. Como a legislação impede redução de salários, essas regras só valerão para os novos servidores.

Por conta da lei federal (LC 173/2020), que impede aumento de despesas decorrentes de alterações de carreiras até o fim de 2021, em razão da pandemia, o plano passa a vigorar a partir de 2022.

“É preciso reconhecer o valor dos servidores que se dedicam", disse o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen - Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

Acordo em prol da Cultura

Aproveitando a presença do governador, dos secretários Otomar Vivian (Casa Civil) e Beatriz Araujo (Cultura), o Ministério Público e o governo do Estado assinaram um termo de cooperação que resultará na modernização e na ampliação do atendimento prestado pela Discoteca Pública Natho Henn, instituição da Secretaria da Cultura que guarda a memória da música produzida no Rio Grande do Sul e no Brasil.

O termo prevê o repasse de R$ 165 mil, provenientes do Fundo de Reconstituição de Bens Lesados do MPRS, que serão aplicados na aquisição de equipamentos de sonorização, mobiliário, acondicionamento do acervo discográfico e bibliográfico e de informatização.

Ao final da modernização, a Discoteca estará apta a oferecer aos frequentadores um ambiente mais didático e bem estruturado, adequado a audições, ensaios, apresentações e pesquisas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...