Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Esporte
Governo gaúcho não estuda retorno das torcidas aos estádios em curto prazo
A posição, dada pelo governador Eduardo Leite em videoconferência nesta quinta-feira, não atende o sinal verde dado pelo Ministério da Saúde na terça-feira.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
24/09/2020 21:35 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

O governo do Rio Grande do Sul não estuda o retorno das torcidas aos estádios gaúchos e, tampouco, a medida deve ser pauta do Comitê de Crise em uma perspectiva de curto prazo. A posição, dada pelo governador Eduardo Leite em videoconferência nesta quinta-feira, não atende o sinal verde dado pelo Ministério da Saúde na última terça-feira. O retorno dos torcedores aos estádios foi aprovado pela pasta para ocorrer em 30% da ocupação. Entretanto cabe aos Estados e municípios acatar a flexibilização e elabores os protocolos sanitários.

Foto: Montagem com fotos de Wesley Santos / Agência Pressdigital & Inter / Divulgação / CP memória

"No RS, não trabalhamos com a perspectiva de retorno com as torcidas nos estádis. Estamos conversando com promotores de evento e shows e, naturalmente, os protocolos para audiência em eventos podem vir a se desdobrarem nos estádios. Mas não vemos perspectivas em curto prazo de retorno das torcidas no Estado", afirmou o governador. Um entendimento semelhante foi adotado pela Prefeitura de Porto Alegre. O Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus da prefeitura de Porto Alegre disse, na última quarta-feira, que é prematura a volta das torcidas as arquibancadas da Arena do Grêmio, do Beira-Rio e do Passo D’Areia em outubro.

Após a adoção de eventos-testes em diversos municípios gaúchos, Leite ainda adiantou que os protocolos para a volta de shows, feiras de grande porte e eventos culturais devem ser anunciados em outubro. Atualmente, na área de eventos, o governo estadual liberou apenas os corporativos e pequenas feiras. Ambos os segmentos precisam obedecer a uma série de protocolos sanitários, que dispõem de ocupação limitada, e devem obedecer às bandeiras de riscos do modelo de Distanciamento Controlado.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...