Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Marido de mulher que confessou matar grávida em SC é solto após análise de conversas telefônicas
A liberdade foi concedida após análise de conversas nos telefones celulares apreendidos pela investigação.
NSCTotal
por  NSCTotal
08/10/2020 11:05 – atualizado há 27 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Preso há mais de um mês por envolvimento na morte da grávida em Canelinha, na Grande Florianópolis, o marido da mulher que confessou o crime teve a prisão revogada pela Justiça nesta quarta-feira (7). A liberdade foi concedida após análise de conversas nos telefones celulares apreendidos pela investigação.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Paulo Alexandre Freyesleben e Silva, com a conclusão dos laudos periciais, a polícia entendeu que o companheiro da acusada não sabia sobre o plano e, portanto, não tinha qualquer envolvimento com o crime.

- Desde o dia do fato, as investigações buscaram elementos que pudessem esclarecer de forma definitiva uma possível autoria intelectual do marido no crime. A conclusão é de que o marido da investigada foi mais uma vítima da trama macabra - disse o delegado, através de nota.

A participação do até então suspeito na cena do crime já havia sido descartada pela polícia, que teve acesso a imagens do condomínio onde ele e a esposa moravam e que teriam provado a ausência do homem na cena do crime.

​Para o Ministério Público de SC, que também analisou os documentos, as provas demonstram que a mulher conseguia manipular a situação, porque o marido trabalhava em outra cidade e, portanto, "acreditava piamente na falsa gravidez da mulher".

Se nenhum outro elemento surgir no decorrer do processo, o homem também deve ser excluído da denúncia apresentada pelo Ministério Público por crimes de feminicídio, tentativa de homicídio, parto suposto, subtração de incapaz e ocultação de cadáver.

Na ação penal, que já foi recebida pelo Judiciário, o MPSC requer que os denunciados sejam submetidos ao julgamento do Tribunal do Júri da comarca de Tijucas.

Flávia Godinho Mafra estava grávida de 36 semanas(Foto: Redes sociais, Reprodução)

O que diz a defesa

A defesa do homem apontado anteriormente por envolvimento no crime disse, por meio de nota, que acreditou na inocência do cliente desde o início e, por esse motivo, buscou a celeridade na confecção do relatório da perícia, sobre as mensagens trocadas pelas mídias digitais entre os cônjuges, pois "havia a certeza de que ali não só se resolveria a prisão, mas sim a inocência dele, que foi injustamente acusado".

Ainda, segundo o advogado Ivan Roberto Martins Junior, com a finalização do relatório policial, a defesa espera que seja requerida também a absolvição sumária do homem e que, se "não fosse a perícia, talvez o fim da história fosse diferente e isso implicaria em injustiça".

O nome da mulher e do marido presos não foram divulgados por causa da Lei de Abuso de Autoridade.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...