Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Ponte do Império foi construída entre os anos de 1879 e 1880 | Foto: Odete Jochims / Divulgação / CP
Economia
Nova rota de cicloturismo irá explorar potencial paleontológico na região Central do RS
Trajeto abrange sete municípios em quase 320 quilômetros a serem percorridos em sete dias.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
17/10/2020 10:05 – atualizado há 33 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Uma nova rota de cicloturismo começará a funcionar na área central do Rio Grande do Sul a partir do segundo semestre do próximo ano. O trajeto abrange sete municípios em quase 320 quilômetros a serem percorridos em sete dias por ciclistas oriundos de todo o país e do Mercosul, em trechos de 30 a 60 quilômetros diários. O trajeto temático pretende explorar o potencial turístico da região e se chamará Circuito Vale dos Dinossauros.

O roteiro prevê visitas ao Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues, de Candelária. O local expõe várias espécies de fósseis do Período Triássico, tais como Dicinodonte, Cinodontes, Tecodonte e Rincossauro. O acervo inclui ainda réplicas do Guaibassaurus Candelarienses, Prestosuchus chiniquensis, rincossauro, fitossauro, Dinodontossaur turpior, Candelariodon barberenai, Botucaraitherium belarminoi, Brasilitherium e Chiniquodum. O trajeto do cicloturismo ainda inclui passagens pelos sítios paleontológicos da área.

A iniciativa da União dos Municípios do Circuito Paleontológico (UMCP), fundada no mês de agosto, pretende valorizar a cultura e o meio ambiente locais, além do desenvolvimento econômico por conta da movimentação em restaurantes, bares, lancherias, hotéis, pousadas, lojas de bicicletas, de suvenires, entre outros. A presidente da associação, Caren Menezes, afirmou que o objetivo principal é desenvolver o turismo rural e de aventura na região.

A rota principal inclui Candelária, Cerro Branco, Agudo, Restinga Seca, São João do Polêsine, Dona Francisca e Ibarama, mas há possibilidade de novos municípios serem adicionados. O caminho passará por cidades vizinhas como Novo Cabrais, Silveira Martins e Passa Sete e outras opções de trajeto podem incluir Nova Palma e Sobradinho. Quanto aos pontos turísticos da atração confirmados estão o Morro Botucaraí, o aqueduto, a Cascata da Ferradura e a Ponte do Império em Candelária, que abriga ainda a saída e chegada do trajeto. Outros locais serão o Recanto Maestro, o distrito Vale Vêneto, a Cascata da Gringa, o porto em Dona Francisca junto ao rio Jacuí e o Morro Cerro Branco.

A associação projeta dois cenários após a implantação da rota. No primeiro seriam em torno de 1 mil cicloturistas na região por ano. Já no segundo, mais otimista, o número poderia chegar a 4 mil visitantes anuais. O primeiro contato da associação foi com o secretário de Turismo, Cultura e Esporte de Candelária, Jorge Mallmann, que desde o início apoiou a inciativa. "Esse circuito de cicloturismo vem de encontro ao nosso projeto de desenvolvimento turístico, que lançamos há algumas semanas. Será mais uma iniciativa capaz de explorar o grande potencial turístico que Candelária reconhecidamente possui." Para o secretário, o projeto tem tudo para dar certo, impactando positivamente a economia de toda a região.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...