Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Fiscal do Carrefour que gravou vídeos da agressão e morte de João Alberto é presa em Porto Alegre
Espancamento aconteceu durante abordagem de seguranças em supermercado Carrefour, em Porto Alegre.
O Sul
por  O Sul
24/11/2020 20:18 – atualizado há 29 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A Polícia Civil prendeu, nesta terça-feira (24), mais uma pessoa envolvida no caso da morte de João Alberto Freitas. A fiscal Adriana Alves Dutra foi presa temporariamente como coautora do homicídio doloso triplamente qualificado, como os dois outros presos. Ela é funcionária do supermercado Carrefour e teria poder de decisão sobre os outros dois fiscais, contratados por empresa de segurança.

Em coletiva realizada no Palácio da Polícia, com a presença da chefe de Polícia, delegada Nadine Anflor; do subchefe, delegado Fábio Motta Lopes; e da diretoria do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), representada pela delegada Vanessa Pitrez; e da titular da 2ª DPHPP, delegada Roberta Bertoldo, foi explicado que a prisão temporária acontece pelo prazo de 30 dias, e que outras pessoas ainda vão ser ouvidas.

A delegada Vanessa Pitrez disse que Adriana tinha poder de comando sobre os dois fiscais que de fato agrediram João Alberto. “Ela tinha autoridade para cessar a agressão, o que não foi feito”, relatou, acrescentando que por isso ela é considerada coautora dessa agressão. Ela também informou que o inquérito, que tem prazo de 10 dias, pode ser prorrogado por mais 15 dias se for necessário.

Segundo a delegada Roberta Bertoldo, houve contradições entre os depoimentos e as imagens vistas pela polícia, fato que determinou a prisão temporária.

“Ela [Adriana] retificou dizendo que retornou de férias e por isso não sabia que o policial militar era funcionário da empresa de segurança. Disse também que haviam passado para ela a informação de que a vítima teria agredido uma funcionária”, relatou a delegada.

A chefe de Polícia, Nadine Anflor, explicou que a prisão temporária pode ser convertida em preventiva como as dos demais presos cautelarmente.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...