Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Relator da ação que discute a reeleição no Senado e na Câmara é o ministro Gilmar Mendes | Foto: Alina Souza/CP
Política
Câmara dos Deputados deve votar nova MP das vacinas nesta quinta
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou o governo Bolsonaro por não ter um plano de vacinação.
CP
vacinas
Câmara dos Deputados
por  CP , vacinas  e Câmara dos Deputados
09/12/2020 23:38 – atualizado há 6 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A Câmara dos Deputados espera votar a nova medida provisória das vacinas, que impõe normas para compra, calendário e aplicação no País, nesta quinta-feira. O relatório da MP 1003 foi apresentado nesta quarta-feira pelo deputado Geninho Zuliani (DEM-SP). 

"A MP 1003 é outro projeto que queremos votar amanhã. Esperamos que governo possa ter convergência, porque no dia em que a gente está debatendo como irá resolver para comprar vacinas o governo vai e isenta a importação de armas. Isso nos deixa perplexos, pela falta de prioridade em alguns momentos e de sensibilidade por parte do governo. As pessoas estão perdendo as vidas, o número de infectados está aumentando, há hospitais sem vagas e sem leitos de UTI, o que pode aumentar a letalidade do coronavírus e vemos a isenção para importação de armas. Me parece uma distorção de prioridades ou uma falta de prioridade por parte do governo".

Maia fez duras críticas ao governo Bolsonaro, tanto pela falta de agenda para a vacina quanto para a agenda econômica. "O governo não tem agenda, não tem agenda para a vacina, para os mais pobres, não tem agenda para a recuperação econômica e geração de emprego. Tem muita promessa, você consegue fazer um livro com três volumes com as promessas que e equipe econômica fez e não colocou de pé", disse.

O presidente da Câmara também criticou a interferência do governo na eleição para a presidência da Casa e disse acreditar que o motivo é impor a pauta de costumes e de flexibilização das leis ambientais.

"Cada dia fica mais claro que o presidente quer a Presidência da Câmara para pautar os seus projetos de costumes e para isso ele vai abrir mão do que ele defendeu nos últimos anos. Isso fica claro, a gente sabe que governo tem um candidato e vai jogar pesado para eleger o seu candidato e rasgar o seu discurso para tentar derrotar o presidente da Câmara e o seu candidato. Eu não quero derrotar ninguém. Quero seguir no caminho que começamos em 2016".

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...