Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Segurança
Operação combate fraudes no auxílio emergencial no RS e em outros 13 Estados
No Rio Grande do Sul, os policiais federais cumprem seis mandados de busca e apreensão no município de Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre
Assessoria/PF/RS
por  Assessoria/PF/RS
10/12/2020 10:55 – atualizado há 7 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A PF (Polícia Federal) deflagrou nesta quinta-feira (10) a Operação Segunda Parcela com o intuito de reprimir fraudes ao auxílio emergencial. Essa, segundo a corporação, é a maior operação no combate às irregularidade relacionadas ao benefício e mobiliza 152 agentes.

As ações ocorrem em outros 13 Estados da Federação: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba, Espírito Santo, Bahia, Santa Catarina, Tocantins, Paraná, Goiás, Minas Gerais, Maranhão, Piauí e Mato Grosso do Sul; com o cumprimento de 42 mandados de busca e apreensão, sete de prisão e 13 de sequestro de bens. Foi determinado o bloqueio de valores de até R$ 650 mil, em diversas contas que receberam benefícios fraudados.

RS

No Rio Grande do Sul, os policiais federais cumprem seis mandados de busca e apreensão no município de Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre. A investigação no RS teve origem em informações repassadas pela Caixa Econômica Federal e apura os crimes de furto mediante fraude, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

O grupo criminoso teria lesado, ao menos, 39 benefícios. Grande parte dos recursos ilicitamente obtidos foi destinada ao comércio eletrônico, por meio das plataformas gerenciadoras de pagamentos.

A operação ocorre após o trabalho de identificação de fraudes feito por diversos órgãos do governo federal: PF, Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, Caixa, Receita Federal, CGU (Controladoria-Geral da União) e o TCU (Tribunal de Contas da União).

Esse grupo, de acordo com release da PF, detectou e cancelou mais de 3,82 milhões de pedidos irregulares e deixou de pagar ao menos R$ 2,3 bilhões a pessoas que não tinham direito ao benefício.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...