Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WANDERSON DE OLIVEIRA ATUOU COMO SECRETÁRIO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. FOTO: JOSÉ DIAS/PR
Política
Presidente do STF convida ex-auxiliar de Mandetta para secretaria de saúde do STF
Oliveira vai substituir o médico Marco Polo Dias Freitas, exonerado por Fux no fim de dezembro. De acordo com auxiliares do presidente do Supremo, Wanderson já aceitou o convite.
CNN Brasil
por  CNN Brasil
06/01/2021 11:20 – atualizado há 39 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, convidou o epidemiologista Wanderson de Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde da gestão de Luiz Henrique Mandetta no Ministério da Saúde, para assumir o comando da Secretaria de Serviços Integrados de Saúde da corte.

Oliveira vai substituir o médico Marco Polo Dias Freitas, exonerado por Fux no fim de dezembro, depois de o Supremo enviar à Fundação Oswaldo Cruz um pedido de reserva de 7 mil doses da vacina contra a Covid-19 para funcionários do tribunal e também do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

De acordo com auxiliares do presidente do Supremo, Wanderson já aceitou o convite. A CNN apurou que Fux buscava um nome com importante atuação no combate à Covid-19 no país. Considerado um dos principais auxiliares de Mandetta, Wanderson foi um dos formuladores da estratégia adotada pelo ministério no início da pandemia do novo coronavírus. Ele deixou o ministério no final de maio.

Após o pedido de "reserva" de vacinas do STF repercutir negativamente na imprensa, nas redes sociais e entre ministros da Corte, Fux decidiu exonerar o médico Marco Polo do cargo de secretário de Serviços Integrados de Saúde da Corte. A exoneração provocou críticas de ministros do STF.

Wanderson participava de quase todas as entrevistas coletivas à imprensa diariamente para atualizar os números da pandemia do novo coronavírus no país."Só Deus para entender o que querem fazer. De qualquer forma, a gestão do Mandetta acabou e preciso me preparar para sair junto, pois esse é um cargo eletivo e só estou nele por decisão do Mandetta”, dizia um trecho de sua primeira carta de demissão.

Exoneração de secretário

Freitas foi exonerado por Fux em 28 de dezembro. Naquele dia, o presidente do STF disse à CNN ter sido alvo de críticas por uma decisão que não autorizou e sobre a qual não havia sido informado. O STF pediu, em ofício enviado à Fundação Oswaldo Cruz, que 7 mil doses de vacinas contra a Covid-19 fossem reservadas para ministros e servidores da Corte.

A Fiocruz negou o pedido, alegou que não possui autonomia "nem para dedicar parte da produção" para a imunização de seus próprios servidores e que a produção de vacinas seria integralmente destinada ao Ministério da Saúde. Dias depois do ofício enviado pelo STF à Fiocruz, Fux defendeu o pedido, em entrevista à TV Justiça, “para o Judiciário não parar”.

Questionado na ocasião sobre o fato de ter defendido o pedido de reserva das vacinas, Fux disse à CNN que não sabia do ofício e que não queria prioridade. Também reforçou que o documento foi enviado sem o seu conhecimento e que, apesar de não ter assinado o documento, Freitas telefonou para a Fiocruz em nome do STF. A decisão de Fux causou mal-estar na corte.

De acordo com relatos feitos à CNN, ministros disseram que o presidente expôs o médico desnecessariamente ao lhe atribuir um ato pelo qual não foi responsável.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...