Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Jovem recebeu amigos em casa após matar a mãe e escondê-la no banheiro
Ele confessou o crime à polícia e disse ter mantido uma rotina normalmente. Caso aconteceu em Joinville, no Litoral Norte de SC.
NSCTotal
por  NSCTotal
07/01/2021 17:15 – atualizado há 9 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O jovem suspeito de matar a mãe em Joinville recebeu amigos em casa após cometer o crime e esconder o corpo no banheiro. Segundo a polícia, Albertina Schmitz Tasca, 61 anos, permaneceu no local durante quatro dias após ser assassinada. O filho, de 20 anos, confessou o crime e disse à polícia que manteve sua rotina normalmente. Ele foi preso na tarde da última quarta-feira (6) depois que familiares encontraram o corpo.

Segundo o jornal A Notícia, delegado que atendeu o caso, Roberto Patell Junior, disse que o suspeito alegou não ter controlado a explosão de raiva durante uma discussão com a mãe na noite do último sábado (2). No momento em que ela virou de costas, ele a acertou com um golpe de estrangulamento.

- Eles discutiam próximo ao banheiro do quarto dela e ele disse que, no momento do golpe, ela não reagiu, nem falou nada. Aí ele percebeu que ela estava morta - detalha Patella.

Logo após, o suspeito teria colocado um lençol sobre a mulher e trancado a porta do quarto dela. Conforme o depoimento de familiares da vítima, era comum ela trancar o cômodo por medo do filho. Além disso, em depoimento, os familiares afirmaram que eles discutiam constantemente e que por vezes o filho chegava em casa alterado pelo consumo de álcool e drogas.

Durante os quatro dias em que o corpo dela permaneceu no local, o jovem manteve uma rotina normal na casa, segundo imagens de câmeras de segurança de casas vizinhas analisadas pela polícia. A polícia ainda diz que ele levou amigos para beber na residência. A filha mais velha da vítima havia ido à casa no domingo (3), mas não desconfiou do crime.

Família suspeitou de desaparecimento

Por ter uma vida ativa em redes sociais e manter a comunicação frequente, familiares de Albertina desconfiaram do sumiço dela durante a semana. Ela era divorciada e morava apenas com o filho. Segundo o delegado Roberto Patella Junior, a filha mais velha chegou a perguntar ao irmão e suspeito sobre seu paradeiro, mas o filho disse que não sabia.

Por volta das 11 horas da última quarta-feira, desconfiados a filha e o marido resolveram voltar à casa. Eles chamaram um chaveiro para destrancar a porta do quarto e encontraram Albertina.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...