Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Santa Catarina
Cidades do litoral de SC já registram aumento de casos ativos de Covid-19
Em Balneário Camboriú o crescimento de casos em uma semana chegou a 87%.
NSCTotal
por  NSCTotal
13/01/2021 14:34 – atualizado há 28 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O impacto das festas de fim de ano e do movimento em direção ao Litoral catarinense no verão já parece refletir em casos ativos nos destinos preferidos na região. Da primeira para a segunda semana de 2021, o número de pacientes com a Covid-19 em Florianópolis cresceu 31%, segundo os dados da Secretaria de Estado da Saúde. Com 1975 casos ativos no balanço desta terça-feira (12), a Capital tem o segundo maior número de pacientes contaminados em SC, atrás apenas de Joinville, com 2290.

São considerados casos ativos os pacientes ainda em tratamento da covid-19, e que portanto têm a condição de transmitir o vírus para outras pessoas.

Movimento na praia de Jurerê, em Florianópolis, no feriado do Ano-Novo(Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense)

Um dos destinos mais famosos de Santa Catarina no verão, Balneário Camboriú viu o número de casos ativos dar um salto em uma semana. No dia 4 de janeiro, a cidade tinha 185 pessoas diagnosticadas, e agora soma 346 — um crescimento de 87%.

Em Imbituba, onde fica a Praia do Rosa — que registrou aglomerações nas ruas durante o Réveillon —, os casos ativos aumentaram 43% em uma semana, passando de 90 para 129. Em Bombinhas o crescimento foi de 75% nos mesmos sete dias.

Outras cidades do Litoral como Penha, Barra Velha e Governador Celso Ramos também tiveram aumento no número de casos na última semana, conforme o levantamento do Diário Catarinense.

Em entrevista recente ao Diário Catarinense, o doutor em Epidemiologia e reitor da Universidade Federal de Pelotas, Pedro Curi Hallal, destacou que o impacto de eventos com maior risco de contágio — como as festas de fim de ano, com muitos eventos clandestinos — aparece primeiro no número de casos, e depois nas internações e até mesmo óbitos:

A primeira coisa que acontece quando a gente passa do ponto, ou seja, quando acontecem aglomerações que não deveriam, de cinco a sete dias depois começam a aumentar os casos. Porque muita gente se contamina naquele dia e muita gente contamina outras. Depois na segunda semana, começa a bombar hospitalização, porque alguns dos casos, principalmente os que vão evoluir para algo mais grave, demoram umas duas semanas para isso acontecer. Na terceira semana, infelizmente, aumentam os óbitos.

A base de dados oficial do coronavírus em Santa Catarina, abastecida pela Secretaria de Estado da Saúde e enviada ao Ministério da Saúde diariamente, contabiliza os casos por cidade de domicílio do paciente. Portanto, os números crescentes no Litoral mostram pessoas que moram nestas cidades e se contaminaram, e não que estavam visitando a região e contraíram o vírus.

Os números podem ser maiores se considerados os visitantes em hotéis e pousadas, por exemplo. Conforme os dados oficiais, apenas oito das 295 cidades catarinenses não têm casos ativos no momento.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...