Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Exames, contratações e horas extras: como Erechim tem usado recursos para o combate a COVID-19
Polis afirmou que o governo optou por manter uma reserva técnica para necessidades futuras como a compra de vacinas
Leandro Vesoloski
por  Leandro Vesoloski
01/03/2021 08:46 – atualizado há 11 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Nos últimos dias muitas dúvidas surgiram sobre a aplicação de recursos federais destinados ao Estado do Rio Grande do Sul, e que em parte, foram repassados aos municípios para o combate a COVID-19.

Questionado pelo jornalista Leandro Vesoloski em recente entrevista concedida ao portal AU Online, o prefeito de Erechim, Paulo Polis, explicou como o município tem aplicado os valores. Polis revelou que os recursos tem bancado insumos como testes para a Covid e pagamento de horas-extras para equipes de saúde. “Foram custeados todos esses testes, toda a estrutura de horas extras do pessoal que precisou dobrar horário na UPA e no Pronto Socorro e uma parte ainda está nas contas para podermos utilizar”, explicou o prefeito.

Paulo Polis disse também que os recursos serão utilizados para a contratação de uma nova equipe que irá se somar na luta contra a pandemia. “Essa equipe não estava no orçamento e vai custar cerca de R$ 130 ou R$ 140 mil por mês”, explicou.

O prefeito disse que o governo optou também por manter uma reserva técnica para necessidades futuras como a compra de vacinas. “Nós ainda não podemos comprar vacinas porque o Butantã e a Fiocruz nem aceitam conversar individualmente. O governo do Estado e a FAMURS já estão trabalhando com um plano B, caso o governo federal não consiga disponibilizar a estrutura de vacinação necessária”, disse.

Ao final da entrevista, Polis ressaltou que se houver uma necessidade excepcional como a compra de leitos para o atendimento de pacientes o município fará. “Essa estrutura de recursos está disponível para equipes, horas extras e se tiver uma coisa excepcional e que tivermos que fechar uma ala do Hospital de Caridade ou do Santa Terezinha para não deixar de atender, nós vamos fazer. Nós temos recursos e vontade, mas se tem equipe você faz e se não tem equipe não tem como fazer”, concluiu o prefeito.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...