Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Seis pacientes morrem após falha no sistema de oxigênio no hospital em Campo Bom/RS
Segundo o Estado não houve falta de oxigênio no Hospital Lauro Reus. Hospital confirma instabilidade de 30 minutos no sistema de oxigênio
G1
por  G1
19/03/2021 16:51 – atualizado há 34 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O Rio Grande do Sul registrou a morte de seis pessoas por problemas na distribuição de oxigênio em Campo Bom, na Região Metropolitana de Porto Alegre, na manhã desta sexta-feira (19). Segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES), não houve falta do produto no Hospital Lauro Reus.

O hospital confirma as informações, porém ressalta que não é possível determinar se as pessoas morreram em decorrência da falta do oxigênio. Todos eram pacientes Covid. A prefeitura da cidade mandou reforços de profissionais e cilindros para apoio.

O governo do estado afirma ter recebido a confirmação da falha e aguarda mais detalhes sobre o problema. Leia a íntegra da nota do governo abaixo.

Já o Hospital Lauro Reus explica, também em nota, que houve instabilidade na distribuição do oxigênio, por cerca de 30 minutos, entre 8h10 e 8h40. O plano de contingência foi acionado. Uma sindicância foi instaurada para apurar o fato.

A instituição confirma que seis pessoas morreram durante a manhã, todas pacientes de Covid. Porém, segundo o hospital, não é possível confirmar se as mortes ocorreram devido à falta do oxigênio. Vinte e seis pessoas estavam em ventilação mecânica no hospital ao todo. Leia a nota do hospital abaixo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou, no fim de semana, que as fabricantes e distribuidoras de oxigênio hospitalar devem informar, semanalmente, sobre a produção e o estoque no país. Com a medida, a agência quer monitorar o mercado e evitar o desabastecimento.

A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) enviou um ofício ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ao Ministério da Saúde pedindo "providências imediatas" do governo federal para suprir as faltas de oxigênio e medicamentos para sedação de pacientes com Covid-19 intubados que estão sendo registradas em municípios de todo o País.

De acordo com secretarias municipais de Saúde, em vários estados, os estoques públicos de medicamentos para intubação estão em níveis críticos e podem acabar nos próximos 20 dias. Em Minas Gerais, com colapso em hospitais referência, cidades pequenas lidam com falta de cilindro de oxigênio e improvisam UTI.

Documentos obtidos pelo Ministério Público de Contas indicam que 31 pessoas morreram por falta de oxigênio em Manaus nos dias 14 e 15 de janeiro, quando a capital atingiu o ápice da falta do insumo. A cidade precisou enviar pacientes para outros estados.

Oxigênio no RS

A Secretaria Estadual da Saúde diz ter oficializado todas as unidades hospitalares do RS para que fosse mantido um estoque mínimo de oxigênio, suficiente para uma semana.

A cidade de Campo Bom, localizada a 57 km de Porto Alegre, foi a primeira do RS a registrar um caso de coronavírus, em 9 de março de 2020. Desde então, o município já registrou 7.586 pessoas com Covid-19 e 138 óbitos, conforme a SES.

No painel de monitoramento de leitos do estado, atualizado às 11h07, Campo Bom aparece com lotação de 100% das vagas de UTI, com 12 pacientes intubados em respiradores. Outras 43 pessoas estão internadas em 10 leitos clínicos na cidade.

Nota da SES:

"A Secretaria da Saúde, preocupada com a falta de oxigênio nos hospitais gaúchos, oficiou todas as unidades hospitalares para que fosse mantido um estoque mínimo de oxigênio, suficiente para uma semana.

A SES teve conhecimento do fato ocorrido em Campo Bom e, imediatamente, acionou o hospital, que confirmou os seis óbitos. Todavia, os óbitos teriam ocorrido devido a uma falha no sistema de distribuição de oxigênio, e não pela falta desse. Estamos oficiando o hospital neste momento para que tenhamos informações mais detalhadas do ocorrido."

Nota do Hospital Lauro Reus

"Com relação à informação sobre a falta de oxigênio nesta manhã no Hospital Lauro Reus, de Campo Bom, a direção da unidade de saúde esclarece que:

1) No período entre 08h10 e 08h40 da manhã desta sexta-feira (19) haviam 26 pacientes em ventilação mecânica na UTI e Emergência.

2) Não houve em momento algum falta de oxigênio aos pacientes, devido à rápida ação da equipe assistencial, que acionou imediatamente o Plano de Contingência - em decorrência de uma instabilidade na rede central de distribuição de oxigênio (O²) que durou aproximadamente 30 min.

3) Segundo a direção técnica do hospital, diante da gravidade geral da situação em nível mundial, e não diferente no Rio Grande do Sul, este hospital opera atualmente com capacidade próxima a 300 % acima da média.

4) Considerando os fatos, foi imediatamente instaurada uma sindicância para verificar as possíveis causas da instabilidade temporária na central de Oxigênio (O²)."

Nota da Prefeitura de Campo Bom

Devido à situação ocorrida no Hospital Lauro Reus na manhã desta sexta-feira (19), a Prefeitura de Campo Bom vem por meio desta nota, esclarecer:

Nesta manhã, ocorreu uma instabilidade na rede central de distribuição de oxigênio do hospital. Assim que a Prefeitura soube do ocorrido, prontamente, por intermédio do prefeito Luciano Orsi, do secretário de Saúde João Paulo Berkembrock e da equipe técnica do hospital, colocou à disposição todo o auxílio possível para manter a oxigenação dos pacientes. Foram enviados reforços da Samu e outros profissionais da saúde, entre médicos e enfermeiros, se deslocaram para prestar ajuda. Além disso, foram providenciados carregamentos com mais cilindros de oxigênio como medida de retaguarda.

Seis pacientes, considerados casos muito graves, internados nas Unidades de Terapia Intensiva e Semi-intensiva, infelizmente acabaram falecendo.

O Hospital Lauro Reus já instaurou uma sindicância para averiguar a causa.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...