Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
Assembleia deve votar nesta semana auxílio emergencial gaúcho
Proposta está na pauta de votação de terça-feira e prevê ajuda a grupos afetados em função das restrições para conter avanço da Covid-19.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
04/04/2021 21:06 – atualizado há 46 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A Assembleia Legislativa deverá votar nesta terça-feira o projeto do governo do Estado que estabelece auxílio emergencial no âmbito do Estado. A proposta foi apresentada há duas semanas pelo governo e, por acordo de líderes, teve a tramitação acelerada. A iniciativa tem duas frentes: dar apoio à atividade econômica mais impactada, segundo o governo, com as restrições, e a proteção social, por meio de ajuda às famílias chefiadas por mulheres e não atendidas por outros projetos.

O auxílio emergencial ao todo deve repassar R$ 130 milhões, sendo R$ 100 milhões para auxílio e R$ 30 milhões para projetos de cultura, assistência social e esporte. A previsão do Executivo é garantir o crédito aos beneficiários entre 30 e 45 dias. O projeto foi protocolado na semana passada e teve a tramitação acelerada por acordo de líderes.

Assembleia deverá discutir auxílio emergencial nesta terça-feira | Foto: Joel Vargas / ALRS / CP

A iniciativa é fruto de intensa articulação da Assembleia Legislativa e governo. Um exemplo é o fato de a proposta abranger, parcialmente, dois projetos de deputados apresentados há um ano para auxiliar as famílias mais vulneráveis durante a pandemia. As iniciativas eram de Valdeci Oliveira (PT) e Luciana Genro (PSol).

O projeto também veio como resposta às pressões de integrantes de setores de gastronomia e hospedagem, que pediam maior flexibilização, intermediado pelo presidente da Assembleia, Gabriel Souza (MDB). Há duas semanas, o governo até chegou a projetar a redução das restrições, o que não foi possível diante dos elevados números da ocupação hospitalar e de casos. Na justificativa, o governo diz não haver margem para “qualquer majoração” em função da “precária situação financeira”.

A agilidade na votação é criticada pelos deputados do Novo, que acreditam que haja a necessidade de mais debate. “Guias turísticos ficaram de fora. Será que R$ 2 mil ajuda tanto um hotel quanto ajudaria um guia turístico desempregado”, questiona o líder da bancada, Giuseppe Riesgo.

Entenda

No dia 26 de março, o governo do Estado apresentou o projeto de ajuda a afetados pela pandemia no Rio Grande do Sul. O projeto foi enviado no dia 31 de março à Assembleia.

Segundo o governo do Estado, o projeto pretende atender a 96.418 beneficiários diretos, segmentados em 19.036 empresas gaúchas do Simples Nacional, 51.697 Microempreendedores Individuais, 17.524 desempregados e 8.161 famílias em situação de vulnerabilidade.

O valor do benefício: serão duas parcelas de R$ 1 mil cada para estabelecimentos registrados no Simples Nacional nos setores de alojamento e serviço de alimentação; duas parcelas de R$ 400 cada para microempreendedores individuais registrados ativos nos setores de alojamento e serviços de alojamento e serviço de alimentação (com exceção de fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar); duas parcelas de R$ 400 cada para trabalhadores dos dois setores que tenham perdido o emprego e ainda estejam desempregados; e duas parcelas de R$ 400 cada para mulheres chefes de família com três filhos ou mais, com pelo menos cinco integrantes em situação de extrema pobreza e não atendidas pelo Bolsa Família e nem pelo Auxílio Emergencial Federal.

De acordo com o governo, serão R$ 100 milhões em recursos oriundos do Tesouro, ainda não especificados, e R$ 30 milhões por meio do aumento de incentivos via ICMS, no caso dos projetos das áreas de cultura, assistência social e esporte.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...