Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Presidente da Amrigs indica aumento de quase 4.000% em medicamentos para intubação
Em depoimento à CPI dos medicamentos da Assembleia Legislativa, Gerson Junqueira Junior também sinalizou superfaturamento no preço de EPIs
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
19/04/2021 21:52 – atualizado há 28 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O presidente da Associação dos Médicos do Rio Grande do Sul (Amrigs), Gerson Junqueira Junior, apresentou aos deputados estaduais um levantamento apontando aumento de quase 4.000% em medicamentos utilizados para intubação de pacientes. Junqueira prestou depoimento, na tarde desta segunda-feira, durante a primeira rodada de oitivas da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Medicamentos da Assembleia Legislativa. O objetivo é investigar o aumento nos preços de fármacos e insumos utilizados no tratamento contra a Covid-19.

De acordo com Junqueira, a Amrigs pediu auxílio de seccionais das regiões da Campanha, Sul, Metropolitana e Serra para identificar o aumento. As consultas ocorreram nos hospitais Unimed e São Francisco de Paula, de Pelotas; Santa Casa de Caridade, de Dom Pedrito; Associação Hospitalar Vila Nova, que administra instituições na capital e grande Porto Alegre; e no hospital da Unimed em Caxias do Sul.

Foto: Joel Vargas/Agência ALRS

Segundo o médico, todas as instituições relataram aumento abusivo nos preços, principalmente na comparação de 2020 para 2021, em medicamentos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Entre os registros que mais chamaram a atenção da entidade está o superfaturamento relatado por médicos do Hospital São Francisco de Paula, em Pelotas. As equipes citaram que o Midazolan, fármaco utilizado para sedação de pacientes, passou de R$ 3,46 para R$ 130 em um ano, o que representa um aumento de 3.757%.

Além do presidente da Amrigs, a CPI também ouviu, nesta segunda, o presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), Carlos Isaía Filho, e o Coordenador da Assistência Farmacêutica de Porto Alegre, Leonel Augusto Morais Almeida, que representou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

O presidente do Cremers disse que a entidade recebeu relatos de hospitais que vêm enfrentando dificuldades para compra de fármacos do kit intubação, principalmente, por dois motivos: preços elevados e negativa, por parte dos laboratórios, em fornecer os medicamentos devido à falta de pagamento.

Já o Coordenador da Assistência Farmacêutica da SMS relatou que o município não vem sofrendo com o aumento elevado de preços dos medicamentos, uma vez que adquire somente para órgão próprios, no caso o Hospital de Pronto Socorro, que dispõe de um número menor de leitos de tratamento intensivo destinados à Covid-19.

Além disso, Leonel Augusto afirmou que a compra realizada pela prefeitura segue as regras públicas, ou seja, há um pregão para tomada de preços, que é anual e garante a aquisição do fornecedor que apresentar o menor preço. No entanto, o profissional alertou os deputados que ao menos 12 instituições relataram à Secretaria uma lista com aumento de preços em medicações, na comparação de 2020 com 2021.

CPI vai convocar prefeito e gestores de hospitais

Na última segunda, os deputados que compõem a CPI aprovaram a convocação do prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, e de gestores de hospitais do Estado a prestarem esclarecimentos à Comissão.

Em um segundo momento, devem ser ouvidos distribuidores e empresas, Ministério Público e Anvisa. Conforme o Dr. Thiago Duarte, presidente da CPI, existem mecanismos legais para tentar restabelecer preços não abusivos aos insumos, considerados essenciais neste momento.

O plano de trabalho da comissão é de 120 dias, prorrogáveis por mais 60, mediante autorização parlamentar. As reuniões e audiências serão realizadas sempre às segundas-feiras à tarde, virtualmente. Já as visitas técnicas e diligências devem ocorrer às quartas e quintas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...