Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Pandemia da Covid-19 deve durar até meados de 2022, prevê desenvolvedora da Pfizer
Empresa biofarmacêutica alemã Biontech, desenvolvedora da vacina vendida pela Pfizer, considera a margem com base no avanço da imunização no mundo.
Clic RDC
por  Clic RDC
05/05/2021 07:51 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Os fundadores do laboratório alemão BioNTech, responsável pelo desenvolvimento da vacina comercializada pela Pfizer, acreditam que a pandemia pode durar até meados de 2022, quando esperam que todas as regiões tenham alcançado alto índice de vacinação e imunidade de rebanho.

Estimativa foi lançada pelos fundadores do laboratório BioNtech responsável pelo desenvolvimento da vacina comercializada pela Pfizer. Foto: divulgação/Pfizer

Estimativa foi lançada pelos fundadores do laboratório BioNtech responsável pelo desenvolvimento da vacina comercializada pela Pfizer. Foto: divulgação/Pfizer

“Em meados de 2022, mesmo regiões com alta densidade populacional, como a Índia, terão alcançado um alto índice de vacinação e imunidade coletiva”, disse o chefe da empresa, Ugur Sahin, em um evento organizado pelo períodico The Wall Street Journal.

De acordo com Sahin, nos próximos 12 meses, haverá um número crescente de países — desenvolvidos e em desenvolvimento — alcançando essa imunidade de rebanho graças às vacinas.

Sahin destacou que em lugares como Europa e Estados Unidos a pandemia já começa a ser controlada graças às vacinas e à continuidade das medidas de distanciamento social, enquanto as infecções aumentam em lugares como a Índia, onde há bem menos vacinados e é mais difícil manter o distanciamento social.

“Temos que garantir taxas de vacinação realmente altas em todo o mundo. Do contrário, ninguém estará seguro”, frisou o cofundador e CEO da BioNTech, que considerou que a pandemia não vai acabar até que haja imunidade coletiva em todo o mundo.

Sahin, cuja firma fez parceria com a norte-americana Pfizer para produzir sua vacina, explicou que sua empresa está expandindo sua aliança de fabricação para produzir mais doses que podem ajudar países como a Índia, onde os casos dispararam recentemente.

Sua esposa e cofundadora da BioNTech, Özlem Türeci, observou que pode ser necessário combinar diferentes tipos de vacinas, incluindo vacinas de RNA mensageiro como a de sua empresa com outras como a da AstraZeneca, para acelerar a imunização em todo o mundo.

“Quanto mais vacinas tivermos disponíveis, melhor… Obviamente, em princípio, podemos misturá-las e combiná-las”, disse Türeci, que é o diretora-médica da BioNTech.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...