Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
Tribunal analisa pedido de impeachment do governador de SC no caso dos respiradores
Desembargadores e deputados dão palavra final sobre afastamento de Carlos Moisés em sessão virtual nesta sexta-feira (7).
NSCTotal
por  NSCTotal
07/05/2021 09:36 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

O tribunal de julgamento que analisa o pedido de impeachment do governador Carlos Moisés (PSL) no caso dos respiradores se reúne nesta sexta-feira (7) para a decisão final de aprovar ou não o afastamento definitivo do chefe do Executivo de SC.

O julgamento começou às 9h e ocorre de forma virtual, por causa da pandemia de coronavírus. O presidente do Tribunal de Justiça (TJSC), desembargador Ricardo Roesler, que preside também o tribunal misto responsável por julgar o caso, comanda a sessão do plenário do TJSC, mas os outros membros participam por chamadas de vídeo.

Governador de SC, Carlos Moisés — Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom/Divulgação

A sessão

A dinâmica do julgamento é semelhante à da última sessão do tribunal misto, que decidiu aceitar a denúncia contra Moisés e afastá-lo temporariamente do cargo em 27 de março. Desde então, a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido) atua como governadora em exercício.

A votação começará com a leitura dos principais pontos do processo. Em seguida, caso compareçam, o governador e os autores da denúncia poderão falar por até 30 minutos - nesse momento, também poderão ser interrogados por membros do tribunal de julgamento. Depois disso, os advogados das duas partes terão prazo de até 90 minutos para se manifestarem.

A partir daí, os 10 membros do tribunal deverão responder se Moisés participou ou se teve conhecimento e se omitiu diante de irregularidades apontadas na compra de respiradores, feita entre março e abril de 2020.

A primeira a votar será a relatora do caso, desembargadora Rosane Wolff. Em seguida, os votos serão intercalados entre os cinco desembargadores e os cinco deputados estaduais, com ordem definida conforme o tempo de atuação nos órgãos (confira a sequência abaixo).

São necessários ao menos sete votos para aprovar o impeachment do governador, o equivalente a dois terços do total. Caso o pedido seja aprovado, Moisés será afastado definitivamente, e a atual governadora interina Daniela Reinehr seguirá no cargo até o final do mandato, em 31 de dezembro de 2022.

Nesse caso, o tribunal também deverá decidir se suspende os direitos políticos de Moisés, por um prazo de até cinco anos. Se o tribunal de julgamento decidir absolver Moisés e arquivar o caso, ele retorna ao governo e Daniela volta à condição de vice.

Governador tenta manter votos favoráveis

Na primeira sessão, em 26 de março, bastavam seis votos para decretar o afastamento temporário – que acabou sendo aprovado por 6 a 4, já na madrugada do dia 27. Na ocasião, os cinco desembargadores e o deputado estadual Laércio Schuster se posicionaram contra Moisés, pedindo o afastamento.

Os outros quatro parlamentares que integram o tribunal votaram pelo arquivamento da denúncia. Se conseguir manter esses quatro votos favoráveis, Moisés se livraria do impeachment.

Capítulo final dos processos de impeachment

O julgamento deve escrever um capítulo final para um período de instabilidade no governo de Santa Catarina. Desde o início de 2020, Moisés foi alvo de dois pedidos de impeachment aprovados na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) e de uma CPI que analisou a compra dos respiradores.

Afastado temporariamente no primeiro processo, sobre um reajuste concedido a procuradores, Moisés foi absolvido no julgamento final e retornou ao cargo após um mês fora, em novembro de 2020.

A história se repetiu em março de 2021, quando o governador foi novamente afastado temporariamente enquanto um novo tribunal de julgamento analisava um segundo pedido de impeachment – este, motivado pelo caso dos respiradores. Esse período acentuou ainda mais o rompimento entre Moisés e a vice Daniela Reinehr. Ambos tentam disputar a preferência do bolsonarismo no Estado e também o direito de dar sequência ao mandato até o fim de 2022.

Todo esse embate ocorre em meio a um forte bastidor político. Em 2020, a frágil relação com deputados fez com que Moisés estivesse perto de sofrer o impeachment, situação revertida durante o período de afastamento temporário. Desta vez, Moisés conta com apoio de mais deputados, mas a governadora em exercício Daniela Reinehr trabalha em busca de apoio e votos que possam tornar definitivo o impedimento de Moisés.

Processo analisa participação no caso dos respiradores

O processo de impeachment de Moisés foi apresentado por um grupo de advogados e empresários. Ele é motivado por uma suposta participação ou omissão de Moisés na aquisição de 200 respiradores com pagamento adiantado de R$ 33 milhões. A compra teve somente 50 equipamentos entregues e que não serviram para uso em UTIs no combate à Covid-19.

O caso foi investigado na Operação Oxigênio, que chegou a decretar prisões temporárias de empresários ligados à Veigamed, empresa que firmou contrato com o governo, e do ex-secretário da Casa Civil do governo Moisés, Douglas Borba.

A defesa de Moisés aposta em pareceres de diferentes órgãos, como Polícia Federal (PF), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Ministério Público Federal (MPF), que não apontaram crime de responsabilidade do governador na compra fraudulenta dos respiradores. Já a acusação defende a tese de que há diferença entre crime de responsabilidade, que é analisado no caso de impeachment, e as esferas civil e criminal de investigação.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...