Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Santa Catarina
Os investimentos das cooperativas em tempo de pandemia
Por Ivan Ramos - Diretor Executivo da Fecoagro-SC.
Ivan Ramos - Dir. Fecoagro-SC
por  Ivan Ramos - Dir. Fecoagro-SC
17/05/2021 10:59 – atualizado há 19 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Já virou chavão em SC e no Brasil, dizeres como: “o agro não parou”; ou “a agricultura tem sido a salvadora da pátria”; ainda: “o cooperativismo cresceu mais que a economia nacional”. Todas essas afirmativas são verdadeiras e se tornam muito mais representativas em época de recessão econômica, provocada pela pandemia do coronavírus. Mas poucos se dão conta de outros feitos importantes na nossa economia, desta vez pelo cooperativismo catarinense: os investimentos expressivos, mesmo na crise.

Para ficarmos apenas em dois exemplos que constatamos pessoalmente, recentemente, na Cooperalfa e na Coopercentral Aurora Alimentos, em Chapecó. Um verdadeiro canteiro de obras, que enchem os olhos de qualquer vivente. A Cooperalfa está investindo aproximadamente R$ 300 milhões no seu parque industrial na Linha Tomazelli. Uma nova fábrica de óleo de soja e demais equipamentos com silos e outras estruturas, que vai mais que duplicar sua capacidade de moagem do grão, passando a industrializar cerca de 50.000 sacos do produto por dia. Vai ter condições de agregar mais valor aos grãos produzidos pelos seus mais de 10 mil associados desse cereal. A mesma cooperativa deve investir outro tanto, no MS e em suas filiais distribuídas pela sua área de ação nos estados onde atua. No município de Sidrolândia, no Estado do MS, está investindo R$ 160 milhões numa unidade de produção de leitões, com capacidade 10 mil leitões. Esse investimento demandará outros por parte dos produtores para engorda dos suínos, que deve chegar a R$ 70 milhões. São investimentos arrojados em tempo de pandemia.

Por sua vez, a Aurora Alimentos, Cooperativa Central que congrega outras 11 cooperativas singulares, que faturou em 2020 R$ 14 bilhões, não para de investir e se expandir. Também está ampliando sua capacidade industrial para possibilitar que os pequenos agricultores possam agregar valor nas suas atividades. A Aurora está investindo mais de R$ 1,4 bilhão na ampliação de abate de suínos e aves. Esses investimentos vão incluir mais 1.580 novos produtores no processo industrial, gerarão mais 4 mil empregos diretos que consequentemente ampliará o movimento econômico nas comunidades e também resultados aos agricultores. Com ação direta em 691 municípios brasileiros por meio de suas unidades produtivas ou das cooperativas filiadas, a Aurora tem dado enorme contribuição ao desenvolvimento econômico de vastas regiões de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul.

Mesmo com crise na economia; os problemas da pandemia; a crise política no país com disputas ideológicas e quase sempre improdutivas e desnecessárias, o agronegócio continua sendo o suporte da economia catarinense. O cooperativismo o propulsor das atividades agropecuárias, principalmente para os pequenos agricultores de nosso Estado. E não nos esqueçamos: no cooperativismo agricultor associado participa dos resultados do negócio. Não fica concentrado em meia dúzia de capitalistas. As cooperativas distribuem renda e proporciona inserção social. Pense nisso.

Ivan Ramos é Diretor Executivo da Fecoagro - Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado de Santa Catarina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...