Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Pixabay
Saúde
Boletim genômico do coronavírus revela variante predominando no RS
As amostras continuam apontando a presença majoritária da variante P1 em circulação no Rio Grande do Sul.
Ascom SES
por  Ascom SES
15/06/2021 22:23 – atualizado há 13 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O boletim genômico publicado nesta semana pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS) apresenta análises de resultados de exames de RT-PCR em amostras de casos de Covid-19 oriundas de todas as regiões do Estado, inclusive da fronteira. As amostras continuam apontando a presença majoritária da variante P1 em circulação no Rio Grande do Sul.

A pesquisa por meio de teste RT-PCR é uma forma diferente de se detectar com mais rapidez a presença de mutações entre as principais variantes de preocupação (VOCs) em circulação no Rio Grande do Sul e serve para agilizar o monitoramento dos tipos de coronavírus em circulação.

Até agora, houve publicação de dois boletins genômicos especiais com essa metodologia, que não utiliza a tecnologia do sequenciamento genético. Neste último, foram examinadas amostras de testes de diversos grupos etários, incluindo pacientes internados ou não, coletadas de 23 de fevereiro a 3 de junho.

Conforme a pesquisadora do Laboratório Central do Estado (Lacen), Tatiana Schäffer Gregianini, “este boletim foi elaborado fazendo uma cobertura de um maior número de municípios analisados e dos municípios com taxas altas de ocupação de leitos”. Segundo ela, “outro fator é que, além de se ter aumentado o número de amostras analisadas por semana, aumentamos a vigilância na região de fronteiras”.

O pesquisador Richard Steiner Salvato, do Lacen, afirma que o número de análises aumentou para que se pudesse monitorar melhor o maior número de municípios e os municípios mais críticos. “São feitos de 200 a 300 testes de investigação de VOCs por semana, dependendo da quantidade de positivos no período”, detalha.

Variantes VOCs e VOIs

Recentemente, visando facilitar a compreensão sobre a ocorrência das diferentes variantes para o público em geral, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu uma nova nomenclatura para designar as Variantes de preocupação (VOCs) e Variantes de interesse (VOIs).

Variantes de preocupação (VOCs) são aquelas que apresentam mudanças no comportamento do vírus e requerem maior atenção por ter maior potência no aumento da transmissibilidade, redução significativa da neutralização por anticorpos gerados, eficácia reduzida nos tratamentos e com vacinas ou ainda falhas de detecção do diagnóstico. Os exemplos mais conhecidos e de maior preocupação entre as VOCs até o momento são: P.1, B.1.1.7, B.1.351, e B.1.617, todas com uma maior transmissibilidade em comparação às demais.

As Variantes de interesse (VOI, do inglês Variant of interest) apresentam potencial para alterar seu comportamento. Quando comprovadas essas alterações, a variante passa a ser identificada como de maior risco e ameaça à saúde pública, então ela passa a ser denominada de VOC – Variante de preocupação.

Boletim Genômico – Edição Especial – Número 2.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...