Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Secretário Busato garante obras asfálticas do programa Avançar no Alto Uruguai
Em reunião virtual com os prefeitos da região, titular da pasta de Articulação e Apoio aos Municípios do governo do Estado também apresentou o projeto Pavimenta, lançado esta semana.
Salus Loch/Assessoria AMAU
por  Salus Loch/Assessoria AMAU
24/06/2021 15:08 – atualizado há 5 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A convite da direção da AMAU, o secretário estadual de Articulação e Apoio aos Municípios (Saam) do governo estadual, Luiz Carlos Busato, participou nesta quinta-feira, 24, de reunião virtual conduzida pelo presidente Paulo Polis. Na ocasião, Busato destacou que o executivo gaúcho já tem garantido os recursos para a realização das obras de infraestrutura anunciadas há duas semanas, dentro do Programa Avançar, que deverão viabilizar, até 2022, acesso asfáltico a seis municípios do Alto Uruguai, entre outras melhorias em ligações locais e com outras regiões. Conforme previsão do Piratini, a R9, da qual a AMAU faz parte, receberá R$ 220,7 milhões do Programa.

Pavimenta

Na reunião com os prefeitos, Busato também apresentou detalhes do Pavimenta, projeto lançado na segunda-feira, 21, que será coordenado por sua secretaria e está sob o guarda-chuva do Avançar. “O Pavimenta visa aumentar e qualificar a infraestrutura rodoviária dos municípios, complementando os anúncios que fizemos nos últimos 14 dias, referentes ao plano de obras e o plano de concessões de rodovias. Juntos, investiremos R$ 5,2 bilhões em todo o RS nos próximos cinco anos, com recursos próprios e privados”, explicou.

Conforme o secretário, o Pavimenta vai aplicar, num primeiro momento, R$ 170 milhões em obras de infraestrutura urbana, em parceria com as prefeituras. Do valor, R$ 60 milhões serão disponibilizadas pelo Estado e os outros R$ 110 milhões são de créditos com bancos públicos – BRDE e Badesul. Com isso, diz Busato, o objetivo é promover fomento à cultura e ao turismo e aprimorar as condições para escoamento da produção. Os recursos foram divididos em três faixas, que contemplarão municípios com até 20 mil habitantes (R$ 1 milhão para 20 projetos selecionados); entre 20 mil e 200 mil habitantes (R$ 2 milhões para 10 projetos); e cidades com mais de 200 mil habitantes (R$ 4 milhões para 5 projetos). Um novo aporte de R$ 60 a R$ 80 milhões pode ser injetado no Pavimenta nos próximos meses, pontuou o secretários.

“O Estado prestará apoio aos municípios de duas formas. A primeira é no desenvolvimento de projetos de engenharia de infraestrutura rodoviária. O segundo eixo é pela análise da viabilidade técnica de propostas existentes, que pode dar lugar a convênios para a realização de investimentos nas obras selecionadas – mediante contrapartidas das cidades”, disse.
Divulgação

Primeiro edital no ar

Luiz Carlos Busato lembrou aos prefeitos que o primeiro edital para seleção de projetos de municípios interessados em aderir ao Pavimenta já está aberto - e pode ser acessado na página da Saam em ‘Acesse o edital do Pavimenta". Serão considerados aspectos técnicos (existência de acesso asfáltico municipal, por exemplo) e socioeconômicos (Índice de Desenvolvimento Socioeconômico – Idese, e projeção de que a obra proporcione fomento econômico na localidade). Todas as candidaturas serão avaliadas por uma Comissão Especial Permanente, reforçou o secretário.

Em até 30 dias após a publicação do edital, os municípios poderão manifestar interesse em participar de algum dos dois eixos do Pavimenta. Além das informações técnicas e de observância à legislação ambiental, entre outros documentos, é importante apresentar um diagnóstico da realidade que se quer modificar, aprimorar ou desenvolver, além de indicação da viabilidade, dos custos, dos benefícios e dos prazos de execução da ação pretendida.

Outras pautas

Além da participação do representante do governo do Estado, os prefeitos da AMAU também avaliaram, durante a reunião online desta quinta-feira, os números da covid-19 - discutindo a respeito do perfil dos infectados, a maioria entre os 30 e 39 anos; o avanço da vacinação na R16 (que apresenta o melhor desempenho entre as 21 regiões do RS); e os números de internados nos hospitais, a fim de definirem ações de enfrentamento à pandemia. Ficou estabelecido que os decretos municipais, por sugestão do comitê técnico da AMAU, devem ser mantidos, uma vez que o Gabinete de Crise estadual classificou a R16 em ‘Alerta’ pela quinta semana consecutiva, apesar de uma leve queda no número de casos ativos. A repactuação do contrato do Santa Terezinha com o governo do RS também foi apresentada pelo presidente Polis.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...