Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
16 indígenas são presos pela PF durante operação na Reserva do Carreteiro em Água Santa
As buscas prosseguem para capturar alguns que não foram localizados e estão na situação de foragido.
Rádio Uirapuru
por  Rádio Uirapuru
01/07/2021 20:58 – atualizado há 7 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A Polícia Federal (PF) deflagra, na manhã desta quinta (1º), a Operação Guerra e Paz, para coibir conflito indígena e investigar crimes ocorridos no ano 2021 na Reserva Indígena do Carreteiro, situada no Município de Água Santa. A ação teve o apoio da Brigada Militar, da Polícia Civil, da SUSEPE e do Corpo de Bombeiros.

Divulgação/PF/RS

Participaram da ação, 200 policiais federais, 130 policiais militares, 16 policiais civis, agentes da SUSEPE e integrantes do Corpo de Bombeiros, que cumpriram 16 dos 28 mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça Federal e 49 de busca e apreensão nos municípios de Água Santa, Tapejara, Ibiaçá, Santa Cecília do Sul, Getúlio Vargas, Erebango e Passo Fundo.

A primeira fase da Operação Guerra e Paz, denominada Operação Carreteiro, foi deflagrada em setembro de 2020 e teve por objetivo efetuar a prisão de 21 indígenas e dar cumprimento à 30 mandados de busca e apreensão, em virtude de intensos conflitos travados entre grupos rivais na disputa pelo poder no interior da reserva indígena. A investigação da primeira fase resultou no indiciamento de 31 indígenas pelos crimes de constituição de milícia privada e de constrangimento ilegal.

Divulgação/PF/RS

Ao final da Operação, o delegado da Polícia Federal, Sandro Bernardi, disse que a Polícia Federal teve que retornar novamente à reserva por conta dos conflitos que aconteceram ao longo deste ano. O delegado explicou que com a prisão dos indígenas na primeira operação o conflito havia sessado. No entanto, no final do ano passado, os indígenas obtiveram a liberdade e passaram a rearticular forças para tentar retomar o poder na terra indígena e os confrontos no local voltaram a acontecer.

O delegado Bernardi lembrou que desde janeiro os conflitos se intensificaram, com inúmeras tentativas de homicídio em confronto entre os grupos rivais, culminando com a morte de um indígena no dia 31 de janeiro, por disparo de arma de fogo. Posteriormente, outro indígena foi morto em confronto com a Brigada Militar.

Na operação desta quinta-feira (1º) 16 indígenas foram presos pela Polícia Federal, mas as buscas prosseguem para capturar alguns que não foram localizados e estão na situação de foragido.

O delegado ressaltou que as prisões realizadas com a deflagração da Operação Guerra e Paz têm por objetivo fazer cessar a violência, trazendo tranquilidade e paz para a comunidade indígena e para os moradores do município de Água Santa, bem como coletar informações e provas que auxiliem na identificação dos autores e partícipes dos crimes.

Para o delegado, o problema dos conflitos indígenas só será solucionado com a intervenção da Funai ou outro representante que administre os recursos e as terras para que os confrontos pelo poder terminem.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...