Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Busca a bombeiros desaparecidos em incêndio da SSP conta com 84 militares do CBMRS
Foram abertos dois acessos na edificação, com duas rotas de trabalho, que atuam de forma simultânea na incursão pela área delimitada a partir das indicações dos binômios com cães de resgate.
Ascom SSP
por  Ascom SSP
18/07/2021 17:38 – atualizado há 12 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O trabalho de busca e resgate no prédio da SSP se mantém 24 horas nesse domingo (18/7), com 84 bombeiros militares nas ações para localizar os dois colegas desaparecidos. Foram abertos dois acessos na edificação, com duas rotas de trabalho, que atuam de forma simultânea na incursão pela área delimitada a partir das indicações dos binômios com cães de resgate.

Divulgação SSP

A operação do CBMRS também mantém monitoramento constante das condições climáticas na área, para garantir a segurança do efetivo, bem como o trabalho contínuo de análise de engenharia da estrutura colapsada. "As equipes de busca e resgate seguirão aqui o dia todo se revezando. Não pararemos o serviço, mantendo o controle para evitar risco excessivo ao pessoal, mas estaremos atuando de forma incessante", afirmou o tenente-coronel Eduardo Estevam Rodrigues, comandante do 1° Batalhão de Bombeiro Militar (BBM), que coordena os trabalhos.

Divulgação SSP

A ação já está empregando no local também todos os equipamentos necessários para o escoramento e remoção de concreto e outros materiais, de forma a avançar no resgate do 1º Tenente Deroci de Almeida da Costa e do 2º Sargento Lúcio Ubirajara de Freitas Munhós.

Dentro do esforço integrado com outras instituições, que têm dado apoio à operação, a Polícia Federal esteve no terreno na tarde de sábado e registrou imagens do prédio com uso de um drone. O material, coletado pelo setor técnico-científico da PF, é utilizado em um software da instituição que permite realizar um modelo em 3D da edificação. Essa técnica viabiliza um estudo mais aprofundado da estrutura que colapsou com o incêndio, de forma a avaliar as melhores opções de abordagem e emprego do efetivo no trabalho.

PF auxilia o trabalho com imagens de drone e software para modelagem 3D da estrutura - Foto: Rodrigo Ziebell/GVG

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...