Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Mãe suspeita de torturar menino de seis anos é presa em Canoas
O namorado dela, de 24 anos, também foi detido em operação da Polícia Civil.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
18/08/2021 11:13 – atualizado há 14 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A Polícia Civil acredita ter evitado mais um desfecho trágico contra uma criança ao deflagrar na manhã desta quarta-feira a operação Poena em Canoas. Junto com o namorado, uma mãe é suspeita de torturar de modo reiterado o filho de seis anos de idade. A investigação está com a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Canoas (DPCA), sob comando do delegado Pablo Rocha. A mulher, de 28 anos, foi presa em Canoas. Já o namorado dela, de 24 anos, foi detido em Campo Bom. Houve o cumprimento de mandados judiciais de prisão preventiva e de busca e apreensão durante a ação. Uma denúncia ao Conselho Tutelar levou a polícia a investigar o caso.

Polícia Civil / Divulgação

Nas investigações, os agentes da DPCA obtiveram provas do crime, como fotografias da criança presa à cama por longas horas, depoimento da própria vítima em que revela ter tido as mãos queimadas no fogão e também que sequer podia ir ao banheiro.

Polícia Civil / Divulgação

Objetos relacionados ao crime foram apreendidos no período investigativo e também nesta quarta-feira. As roupas da vítima, tecidos que amarravam o menino à cama e remédios usados para dopar a criança foram recolhidos como elementos de prova no inquérito.

O diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (2ª DPRM), delegado Mário Souza, observou que o casal apresentou versões opostas para os fatos e serão novamente inquiridos para o esclarecimento dos fatos.

Foi evitada uma possível tragédia, pois a criança corria risco de morte. As pessoas devem denunciar para que outras crianças sejam retiradas de situações terríveis como essa”, enfatizou o delegado Mário Souza, citando que o casal fazia planos até de abandonar o menino. Ele não descartou inclusive que a vítima poderia ser morta nas próximas semanas.

“As investigações continuam e foi uma situação de graves agressões contra a criança”, assegurou por sua vez o delegado Pablo Rocha. O menino já foi colocado em segurança.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...